É possível contar um monte de mentiras, dizendo só a verdade. Por isso, é preciso tomar muito cuidado com a informação e o jornal que você recebe. Folha de S.Paulo. O jornal que mais se compra. E o que nunca se vende. Agora leia o trecho do artigo Lições de um Jornalismo Tendencioso A crise financeira interrompeu, no ano passado, o "crescimento sustentado" da circulação de jornais no Brasil, depois de três anos seguidos de altas próximas dos 10%. Esse é o enunciado de uma notícia publicada na quinta-feira (11/2) pelo Globo. O jornal carioca lembra que a circulação de jornais havia crescido 8% em 2008 e caiu 3,5% em 2009. De um total de 4.351.400 exemplares em 2008, o volume total da circulação foi para 4.200.743 no ano passado. A explicação, segundo o IVC, Instituto Verificador de Circulação, citado pelo Globo, é que a crise financeira levou as empresas de comunicação a adotarem políticas de investimento mais conservadoras, reduzindo as promoções para os leitores no primeiro semestre de 2009. Para entender um pouco melhor a situação, é preciso ressaltar que o número de jornais auditados pelo IVC aumentou, no período, de 94 para 101 títulos, porque muitas empresas aproveitaram o crescimento da nova classe média e lançaram títulos "populares" em quase todas as capitais. Agora, observe o leitor a versão da Folha de S.Paulo. O título da Folha diz o seguinte: "Crise piorou status de 4,2 milhões de brasileiros", ou seja, um título absolutamente pessimista. No interior da reportagem, o jornal começa dizendo que a crise baixou o status de 4,2 milhões de brasileiros que faziam parte das classes A e B em setembro de 2008, jogando-os para as classes C, D e E. Em seguida, no segundo parágrafo, o texto repara que "por outro lado, outras 4,7 milhões de pessoas saíram da classe C e ascenderam na pirâmide". Mais adiante, o jornal acrescenta que quase um milhão de brasileiros deixaram de ser pobres durante a crise financeira internacional. COSTA, Luciano Martins. Observatório da Imprensa, ed. 576, em 11/02/2010. Disponível em:http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/licoes_de_jornalismo_tendenciosoAcesso em: 15/07/2013 (adaptado). Convidamos você a refletir sobre a relação entre o texto da peça publicitária e o artigo de Luciano M. Costa, sustentando seu argumento com pelo menos um exemplo informacional extraído de cada um dos dois textos.

1

Respostas

2013-09-07T10:41:00-03:00
A intenção do autor é refletir sobre estes conceitos e como as práticas de noticias podem ser alteradas em função da nova dinâmica social e informacional. Sociedade em Rede; Comunicação Organizacional; Redes Sociais; Organizações. De acordo com o autor, esta é a sociedade em rede que se apresenta. E, “uma sociedade em rede é aquela cuja estrutura social está composta de redes ativadas por tecnologias digitais de comunicação e da informação baseadas em microeletrônica”.
8 3 8