Respostas

2013-09-23T15:35:32-03:00
Hernán Cortés
Conquistador da América espanhola que nasceu em 1485, em Medelín, em Castela, em Espanha, e morreu em 1547, em Castilleja de la Cuesta, perto de Sevilha. Destruiu o Império Asteca e conquistou o México para a Coroa espanhola. Também é considerado um dos maiores historiadores da Espanha ultramarina do siglo de oro. As suas Cartas de Relación representam uma importante fonte para a História da conquista do México.Em 1504 partiu para a América do Sul, participando na guerra contra os nativos, na Ilha Hispaníola (onde se encontram hoje o Haiti e a República Dominicana) e, sete anos depois, conquistou Cuba. Em 1519, alcançou a costa do México, onde fundou a Cidade do México. Quando voltou a Espanha, em 1528, foi recebido pelo rei Carlos V, sendo homenageado com o cargo de capitão-general (mas não o de governador, como desejava). Em 1530 regressou à Nova Espanha e encontrou o território numa verdadeira anarquia, acabando por ser alvo de várias acusações, o que o levou a retirar-se para as suas terras de Cuernavaca. Dez anos depois, regressou definitivamente a Espanha, sem honras nem homenagens, acabando por viver quase miseravelmente até morrer. 
Teófanes cresceu na corte do imperador Constantino V. Seu pai morreu quando ele ainda era muito jovem deixando-lhe por herança uma grande propriedade e à nomeação do imperador como seu tutor. Mais tarde, foi obrigado a se casar, mas por consentimento mútuo, o casal manteve a castidade, separando-se e retirando-se para a solidão. Consta que Teófanes tenha construído dois monastérios, um em Monte Sigriana, próximo de Cyzicus, e outro na Ilha de Kalonymos, que era parte de sua herança. Lá estabeleceu a sua residência, permanecendo por seis anos. Mais tarde,  retornou para o Monte Sigriana, onde exerceu o ofício de abade. No ano 787, Teófanes participou no Concílio de Nicéia que sancionou o restabelecimento do uso e  da veneração das imagens sagradas. Mais tarde, em 814, Leão, o armênio, tentou anular a decisão de seus predecessores e pediu para suprimir novamente o culto às imagens. Reconhecendo, no entanto, a reputação e  autoridade de São Teófanes, tentou conquistá-lo mediante cordiais e astutas cartas, mas o santo estava bem armado contra todas as artimanhas que pudessem ser utilizadas para ludibriá-lo. Aos 50 anos, começou a sofrer de graves  doenças, mas quando o imperador o chamou para  Constantinopla, mesmo estando muito enfermo, obedeceu. Às ameaçadoras mensagens de Leão, o armênio, o santo respondeu desta maneira: «A minha avançada idade, a debilitação de minha saúde e a fraqueza de meu corpo já não me deixam inclinar-me para estas coisas que eu desprezei, pela graça de Deus, na minha juventude. Se pensas assustar-me ou seduzir-me para conseguir minha complacência, como acontece com uma criança a quem é mostrado o relho, perdes teu tempo». O imperador enviou ao seu encontro  vários emissários para tentar persuadi-lo, mas ele se  manteve inflexível. Foi condenado a receber 300 chicotadas e enviado depois, por dois anos, para um calabouço fedorento e solitário, onde recebia apenas o necessário para manter-se vivo. Sua doença se agravou e, quando ele finalmente foi libertado e deportado para a ilha de Samotrácia, morreu em 12 de março de 817, dezessete dias após sua chegada. Deixou uma Cronografia, ou seja, uma breve história do mundo até o ano 813, a partir de 284 dC, data em que terminava uma história escrita por seu amigo George Syncellus, auxiliar do Patriarca São Xarasius.
2 4 2