Respostas

2013-10-03T21:31:16-03:00
Escolhida pelo autor da pergunta A seqüência argumentativa (também denominada de unidade composicionalargumentativa), segundo Adam (1992), não deve ser confundida com a argumentação demodo geral, que se relaciona ao valor descritivo-informativo da língua.A seqüência argumentativa se compõe de relações baseadas em fatos que giram emtorno de:• Argumento(s) – Conclusão, Dados – Conclusão;• Razões – Conclusões.Em outras palavras, trata-se de uma seqüência que gira em torno de uma tese que sefundamenta em dados para convencer os co-enunciadores de seus propósitos comunicativos etentar fazê-los “aderir” às suas idéias. A seqüência argumentativa tem a pretensão de fazer ointerlocutor mudar de idéia e “embarcar” nas idéias do enunciador, o que não quer dizer que,necessariamente, isso vai acontecer. Entretanto, os gêneros textuais que são construídospredominantemente com esta seqüência têm este propósito comunicativo.Para se ter uma visão mais panorâmica dos pressupostos que subjasem à teoria deAdam, com respeito a esta seqüência, vejamos o esquema a seguir, que ilustra o protótipo dapensado por ele.(Adam: 1992, p. 118)8O esquema de base da argumentação coloca em relação os dados para chegar a umaconclusão, podendo essa conclusão ser implícita ou explicitamente fundamentada (garantia esuporte) ou contrariada (refutação ou exceção). Destaca Adam (1992) que o dado, na maioriadas vezes, é explícito, e o suporte de ancoragem é, freqüentemente, implícito. Assim, osoutros componentes encontram-se entre estes dois pólos de implicitação e de explicitação.Como há restrição, há um “motivo” que impede o desfecho esperado.Sousa (2005) mostra que este protótipo esquemático não se configura imutável emanúncios de turismo do Ceará, retirados de revistas especializadas. É o que será demonstradona análise dos dados mais adiante