Analise o texto a seguir: MAIS MÉDICOS, MENOS IDEOLOGIASMídia não explica, demonizaHá quase dois meses discute-se a implementação do programa “Mais Médicos” para atender as exigências dos manifestantes de junho. Vacilante, o governo foi apresentando uma sucessão de ideias incompletas que as corporações médica e acadêmica foram torpedeando implacavelmente. Com o decidido apoio da corporação jornalística. O projeto sobrevivente e o mais consistente, apresentado pela própria presidente Dilma Rousseff em seguida às manifestações, previa a importação de médicos do exterior. Inclusive cubanos. Não era novidade: médicos desse país já prestaram serviço em diversos pontos do Brasil, com excelentes resultados. À medida que a ideia se cristalizava, aumentava a histeria anticubana que se estendia a candidatos de outros países, especialmente Portugal e Espanha. Acusações primárias se alternavam: ora dizia-se que os cubanos viriam como espiões ou agentes provocadores, ora que chegariam aqui na condição de escravos (ganhando salários irrisórios enquanto o governo de Havana ficaria com a parte do leão dos 10 mil reais mensais pagos pelo governo brasileiro). Alegou-se que cláusulas especiais foram impostas para evitar que os cubanos pedissem asilo político (por isso vinham sozinhos, sem a família). Nenhum editor deu-se ao trabalho de esclarecer, explicar vantagens e desvantagens. Gestos e opções Nos últimos dias, em desespero de causa, celebrados opinionistas acusaram os irmãos Castro de converter seus médicos em simples commodities, fonte de divisas para financiar um país falido. Argumento pueril, enganoso: commodities são bens em estado bruto, médicos são bens com alto valor agregado. A Índia estimula a saída dos seus cientistas e especialistas em informática de olho no retorno que trarão ao país; o mesmo acontece com Israel, que há décadas exporta agrônomos para os quatro cantos do mundo. O exercício da medicina não pode ser examinado sem levar em conta o seu caráter humanitário. Levar médicos aos grotões do país - além de salvar vidas preciosas, contribuirá decisivamente para desmonetizar uma profissão que vem perdendo velozmente o seu caráter original, solidário e altruísta. Nossa mídia embarcou de corpo e alma nessa cruzada egoísta, antissocial, fomentada primordialmente pela poderosa corporação médica, pelas empresas de ensino superior & adjacências. E isso no pós-junho, quando nas passeatas ainda reverberam referências pouco airosas à insensibilidade de jornais e jornalistas. (...) Disponível em:<http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/midia_nao_explica_demoniza> Acesso em: 27/08/2013 Com base no artigo acima, avalie as afirmações a seguir: I. Conforme aponta o artigo, a veiculação nos mais diversos veículos de comunicação de notícias centradas em informações infundadas demonstra o apoio do corporativismo jornalístico ao corporativismo. II. A ideia de trazer médicos cubanos é uma iniciativa completamente inovadora e por essa razão, rechaçada pelos médicos brasileiros. III. O artigo reafirma a conduta investigativa e imparcial da imprensa brasileira em relação à vinda dos médicos estrangeiros. IV. De acordo com o artigo, a imprensa nacional tem trabalhado a favor da manutenção do status quo elitista e financista da classe médica brasileira. É correto apenas o que se afirma em:

1

Respostas

2013-10-08T12:45:22-03:00
Resposta correta: I e IV. 
I.    Conforme aponta o artigo, a veiculação nos mais diversos veículos de comunicação de notícias centradas em informações infundadas demonstra o apoio do corporativismo jornalístico ao corporativismo. 

IV. De acordo com o artigo, a imprensa nacional tem trabalhado a favor da manutenção do status quo elitista e financista da classe médica brasileira.
3 5 3
I. Conforme aponta o artigo, a veiculação nos mais diversos veículos de comunicação de notícias centradas em informações infundadas demonstra o apoio do corporativismo jornalístico ao corporativismo.
IV. De acordo com o artigo, a imprensa nacional tem trabalhado a favor da manutenção do status quo elitista e financista da classe médica brasileira.
Certa Resposta:
I e IV