O mercúrio tem chamado a atenção de muitos pesquisadores desde o século passado. No Brasil, a preocupação inicial se restringia à exposição humana pelo seu uso na mineração do ouro. Entretanto, nos últimos anos a atenção de muitos pesquisadores se voltou para outras fontes de exposição, incluindo fontes naturais. Na região Amazônica, os solos são naturalmente ricos em mercúrio. Devido à constante degradação da floresta, o solo se torna mais exposto à ação das chuvas que facilitam a passagem do mercúrio aos rios. Na água o mercúrio sofre um processo de metilação, transformando-se em metilmercúrio (MeHg) que se acumula principalmente nos peixes da região. As populações ribeirinhas, que têm sua alimentação baseada no consumo de peixes, são as principais vítimas da exposição a este metal. Muito tem se estudado a respeito dos efeitos tóxicos do metilmercúrio, reconhecido como a forma do mercúrio mais perigosa à saúde humana, devido à alta solubilidade para atravessar barreiras biológicas, capacidade de bioacumulação e elevada meia-vida de eliminação dos tecidos. (Texto adaptado; http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis)Sabendo que a meia-vida do metilmercúrio é de 70 dias e que a cinética do processo é de primeira ordem, o número de dias necessários para que a quantidade de metilmercúrio seja reduzida a 20% do valor inicial é de

1

Respostas

2013-10-13T09:55:57-03:00
T=0, 100% da quantidade original
t=70 dias, 50% da quantidade original
t=140 dias,25% da quantidade original.
t=210 dias,12,5% da quantidade original.

Então o número de dias necessários está entre 140 e 210 dias.
1 4 1