Respostas

2013-10-16T00:43:48-03:00
A história tradicional, baseada nos grandes heróis e datas importantes, têm sido criticada nos últimos anos, pois a história não é um produto acabado e toda fonte histórica traz consigo um discurso recheado de intenções. O Estado e as elites sempre tentaram atuar sobre a forma de se escrever a história e passar apenas suas visões como verdades absolutas. Porém sabe-se que não existe verdade absoluta não obstante qualquer verdade pode ser desmoronada. Se fosse assim até hoje estaríamos acreditando que o Sol gira em torno da Terra. Na história tudo muda, nada é permanente, e deve-se analisar a história em seu contexto, evitando anacronismos e preconceitos. O ensino da história tende a ser cada vez mais relativizado.  Surge a necessidade de várias fontes de diversos tipos (oral, escrito, arqueológico) para dialogar entre si e formular questionamento. Nenhuma fonte pode ser considerada única. Muitos textos escritos ao serem confrontados com vestígios arqueológicos foram desmentidos. O ciclo histórico deve ser analisado em todas as suas nuâncias. Quem, por que e para quem produziu determinada fonte histórica. Conhecer o autor, suas influências, seu tempo, seu objetivo e a que destinou algum vestígio torna-se imprescindível na produção historiográfica. Se antes para entender escravidão no Brasil se recorria aos documentos oficiais do Império, hoje parte-se mais de outro ângulo buscando o cotidiano dos escravos, suas ações e cultura.O estruturalismo começa a ser questionado. Verificou-se que o fator principal para a abolição foi o próprio escravo, que tinha sua classe e suas lutas.
1 5 1