A Argentina não consegue pagar sua dívida por não priorizar compromissos, uma vez que é público que se trata do país mais rico da América Latina.O rigor internacional para com a Argentina é fruto de várias ações que aumentaram a desconfiança para com este país. Em outras palavras: o rebaixamento de um país não se dá aleatoriamente, sem motivos concretos.Aumentar o rigor para com países em desenvolvimento não é algo positivo para ninguém. O melhor seria não cobrar dívidas antigas para que não se gerem mais animosidades.O risco de calote por parte da Argentina não existe, já que não é possível que um país vá à falência.Quem empresta dinheiro para um país com dificuldades financeiras já sabe dos riscos assumidos. Podemos concluir, então, que os investidores foram ingênuos crendo que não havia riscos.A economia argentina passa por um período prolongado de dificuldades. Recentemente, o país teve sua nota rebaixada, o que indica o aumento da desconfiança para com sua capacidade de pagar suas dívidas. Observe a reportagem reproduzida a seguir: S&P rebaixa nota da Argentina para ‘CCC+’, com perspectiva negativa. Tribunal dos EUA ordenou pagamento a investidor que não quer renegociar. Agência vê risco de interrupção de pagamento do país a alguns títulos. A agência de risco Standard & Poor's rebaixou nesta terça-feira (10) a nota de risco de dívida soberana de longo prazo em moeda estrangeira da Argentina de "B-" para "CCC+", passando para a escala de risco de calote e baixo interesse. A decisão ocorreu após um tribunal de recursos dos Estados Unidos confirmar uma ordem para que Buenos Aires quite seu passivo com investidores que não aceitaram a reestruturação da dívida. "Estamos reduzindo nossos ratings na Argentina por causa do aumento dos riscos para o serviço de calote da dívida decorrente de um processo sobre a dívida do governo da Argentina. O processo pode resultar na interrupção de pagamentos dos títulos atualmente sob a jurisdição de Nova York, ou poderia levar a Argentina a realizar uma troca de dívida precipitada. De acordo com nossos critérios, esses resultados nos levam a reduzir a nossa classificação na Argentina para 'SD', default seletivo. Embora nenhum resultado seja certo, acreditamos que há pelo menos um terço de chances de ambos ocorrendo dentro dos próximos 12 meses", diz a S&P. Disponível em: http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/09/sp-corta-rating-da-argentina-para-ccc-de-b-perspectiva-..., acessado dia 10/09/13 Tendo em vista os elementos contidos no texto, assinale a alternativa correta:



1

Respostas

2013-11-20T21:40:32-02:00
2 alternativa, o rigor internacional...
2 5 2
O rigor internacional para com a Argentina é fruto de várias ações que aumentaram a desconfiança para com este país. Em outras palavras: o rebaixamento de um país não se dá aleatoriamente, sem motivos concretos.
É essa resposta mesmo conferido - O rigor internacional para com a Argentina é fruto de várias ações que aumentaram a desconfiança para com este país. Em outras palavras: o rebaixamento de um país não se dá aleatoriamente, sem motivos c...............
Resposta Correta.
O rigor internacional para com a Argentina é fruto de várias ações que aumentaram a desconfiança para com este país. Em outras palavras: o rebaixamento de um país não se dá aleatoriamente, sem motivos concretos.
O rigor internacional para com a Argentina é fruto de várias ações que aumentaram a desconfiança para com este país. Em outras palavras: o rebaixamento de um país não se dá aleatoriamente, sem motivos concretos.
O rigor internacional para com a Argentina é fruto de várias ações que aumentaram a desconfiança para com este país. Em outras palavras: o rebaixamento de um país não se dá aleatoriamente, sem motivos concretos.