Respostas

2014-02-04T09:02:24-02:00
Antes da expansão, grande parte dos produtos, especiarias, vinham da Ásia. No entanto. como não havia ainda uma rota marítima, os produtos eram comprados, geralmente, em Constantinopla, e comercializados nas cidades mais evoluídas da Europa, nesse caso, Veneza, Florença...(lembrando que o comércio era feito por Terra, com exceção de algumas rotas no Mar Mediterrâneo)  Dessa forma, o comércio era monopolizado por esses comerciantes de Florença, Veneza, e outras cidades que se situavam na península itálica. 
7 4 7
Se estiver errado me corrijam. Tirei da minha cabeça.
2014-02-04T09:19:12-02:00

Esta é uma Resposta Verificada

×
As Respostas verificadas contém informações confiáveis, garantidas por um time de especialistas escolhido a dedo. O Brainly tem milhões de respostas de alta qualidade, todas cuidadosamente moderadas pela nossa comunidade de membros, e respostas verificadas são as melhores de todas.
Caro Jeferson,

Mesmo após as cruzadas e a guerra da reconquista contra os mouros, não se conseguiu obter o controle das rotas comerciais terrestres que chegavam ao Mar Mediterrâneo, pois os árabes ainda controlavam todo o comércio que trazia as especiarias (pimenta, açúcar, dentre outras), seda, porcelana e outros produtos das Índias e da China.  Além disso, os italianos, beneficiados geograficamente devido à maior proximidade das rotas comerciais árabes, monopolizavam o acesso aos produtos já citados, revendendo a um preço altíssimo aos demais países europeus. Com isso, eles estimulavam o renascimento cultural nas principais cidades da Itália.

Desse modo, os navegantes e empreendedores portugueses as grandes navegações buscando comprar ou obter as especiarias (cravo, pimenta, dentre outras) diretamente das regiões produtoras, sem os árabes e os italianos enquanto intermediários, razão pela qual, mesmo sendo bastante demorado e difícil, valia a pena dar a volta no continente africano para chegar às Índias Orientais e à China, pois se podia comprá-las a um preço bem baixo e conseguir vendê-las com uma margem de lucro de até 6.000%, como o obtido pelo navegante Vasco da Gama. 

Assim, prevaleceu a análise econômica de John Evelyn, realizada ainda no século XVI, "Quem controla o Oceano, controla o comércio do Mundo; quem controla o comércio do Mundo, controla a riqueza do Mundo; quem controla a riqueza do Mundo, controla o próprio Mundo".
2 5 2