Respostas

2014-03-19T10:23:24-03:00
Os principais argumentos contra a teoria da evolução de Darwin e Wallace foi insultá-los,  especialmente Darwin, um senhor de idade já avançada, desenhando-o como um macaco, dentre outras possibilidades.

Vamos aos argumentos:

1) Insultá-lo e maltratá-lo de diferentes modos;

2) Falar bobagem sem conhecer a teoria, dizendo, por exemplo, que se o homem veio do macaco, qual a razão pela qual não vemos macacos se transformarem em homens;

3) Dizer que a ideia dele contraria a bíblia ou outros livros religiosos e, por isso, ele e qualquer pessoa que acredite nisso irá para o inferno.

Hoje sabemos que a evolução, inclusive humana, é um fato. A teoria de Charles Darwin é comprovada por evidências fósseis, testes em laboratório, observações na natureza, pelos estudos da genética, dentre muitos outros. Nesse sentido, a teoria da evolução é a base da biologia e da genética atual.

Para explicá-la, Darwin estipulou o mecanismo de seleção natural, no qual ele percebeu que os indivíduos mais adaptados ao ambiente no qual vivem apresentam mais chances de sobreviver e reproduzir, passando suas características para seus descendentes.

Outro aspecto de sua teoria estava baseada no mecanismo de seleção sexual. Como todos nós, Charles Darwin conhecia os pavões e outros seres coloridos. Ele se perguntava sobre qual a razão que levava os machos dos pavões a terem caudas tão longas e brilhantes, que dificultavam o vôo e a corrida, tornando-os presas mais fáceis aos predadores. Como esse tipo de plumagem mais vistosa, brilhante e colorida estava predominantemente presente nos machos, ele pode analisar que, aqueles indivíduos com as plumagem mais chamativas apresentavam maiores chances de demonstrar às fêmeas que estavam saudáveis e eram fortes o suficiente para sobreviver aos predadores, que se acasalavam com esses machos.

Apesar do grande número de evidências , Darwin teve medo do modo como suas ideias seriam recebidas na sociedade, em razão de muitos religiosos acreditarem que o mundo e todos os animais, incluindo os humanos, foram criados prontos e em tempos bastante recentes (uns 6 mil anos) e de uma única vez por Deus ou deuses, de maneira que, tal como a ideia da Terra girar ao redor do sol, sua teoria foi recebida como um sacrilégio. Assim, Darwin guardou seu livro "A origem das espécies", no qual descrevia suas ideias por décadas, com a ilusão de mandar publicá-las após a sua morte.

Entretanto, outros cientistas, como Alfred Russel Wallace escreveram para ele propondo ideias relativamente semelhantes, de modo que ele se viu obrigado a publicar seu livro antes do previsto. Como o tempo da inquisição havia acabado, Darwin não foi condenado à fogueira, mas durante o resto de sua vida passou a ser ridicularizado, como na figura abaixo, na qual aparece no corpo de um macaco.

Aliada às modernas bases da genética, a teoria de Darwin é um dos pilares da biologia atual, sendo utilizada para a compreensão de diversos fenômenos, inclusive o comportamento do próprio ser humano. Infelizmente, há, ainda, diversos grupos de religiosos e pessoas ao redor do mundo que não sabem do que estão falando e questionam as ideias de Darwin sem conhecê-las, reduzindo-a a ideias tolas como "o homem veio do macaco" (na verdade, todos os seres vivos apresentam ancestrais comuns), o que não quer dizer que os macacos evoluirão para seres humanos, haja vista que o nosso ancestral comum desapareceu há milhões de anos.

Outro dificuldade que as pessoas apresentam para compreenderem a teoria de Charles Darwin consiste na enormidade de tempo que, normalmente, a evolução envolve. É difícil de imaginá-lo. Entretanto, é possível testemunharmos o processo evolutivo em espécies de reprodução rápida, como bactérias, ratos, e outros seres.

Apesar disso, o processo evolutivo é, de certo modo, observado no próprio desenvolvimento do embrião humano, no qual uma única célula (o zigoto, fruto da união do espermatozoide e do óvulo) ou seja um ser unicelular, faz sua própria reprodução até a formação completa de um ser humano em apenas nove meses.

Portanto, o tempo em que há vida na Terra (mais de três bilhões de anos) é  suficiente para uma galinha bicando o teclado do meu computador ter grandes probabilidades de digitar a obra completa de Machado de Assis, sem errar uma vírgula. Isso nos permite concluir que o desenvolvimento da espécie humana não é algo distinto do observado na natureza. Obviamente, é um pouco complicado para nossa mente lidar com um período tão grande de tempo, gerando muitos mal-entendidos nesse campo.

Sugiro a leitura dos livros de Richard Dawkins e de Carl Sagan ("O Maior Espetáculo da Terra" e "O mundo assombrado por demônios", bem como o vídeo da cientista brasileira Suzana Herculano-Houzel.

Bons estudos!