Respostas

2014-04-05T15:33:49-03:00
O fenômeno literário engendra-se de maneira peculiar, possui características específicas às quais se dá o nome de literariedade: termo, provindo do formalismo, pelo qual se distingue a linguagem literária da linguagem referencial. Em concernência a essa idéia, Aristóteles, em a Poética, já notava algo impar na Poesia- o nome que denominava qualquer espécie de obra literária para os gregos-, dizia que clara e vulgar era a linguagem formada pelas palavras correntes e, nobre e elevada, a linguagem que empregava termos raros: os metafóricos e alongados e todos os que fogem aos de uso corrente.
Deduz-se, assim, que tanto a poesia como a prosa estruturam-se concernente a suas próprias leis, não precisam necessariamente estarem ligadas ao mundo referencial. E, indubitavelmente, elas não o imitam perfeitamente, mas sim o desconstrói para que emanem as dúvidas das ações dos homens; se assim o faz, é com fim de trazê-lo com suas nuanças elementares, através de um enigma formal; na poética de Aristóteles, isso aparece explícito quando ele fala: O enigma é falar coisas certas reunindo termos absurdos. Disso posto, pode vincular-se o conceito de mimese, a imitação não dos homens, mas sim de suas ações. Por isso, um isento como em A Metamorfose de Franz Kafka, por meio de aparência absurda, não representa um homem, contudo traços, ações humanas. O absurdo traz, recupera a realidade em sua profundidade.
12 3 12