Respostas

2014-05-06T15:36:57-03:00
Espero muito poder ti ajudar.A principal explicação para a causa do preconceito e da discriminação advém de um legado histórico e de circunstâncias sociais às quais estamos atrelados. Entretanto, a nossa história não pode ser considerada como a única e exclusiva causa das manifestações sociais do preconceito e dos atos discriminatórios que observamos nos jornais. A partir de uma análise histórica sobre a discriminação racial no Brasil alguns autores acreditavam na herança escravocrata de nosso país enquanto outros afirmam que a principal causa destas manifestações racistas é o sistema capitalista que auxiliou na manutenção de uma estrutura social discriminatória. Neste caso, a discriminação está relacionada com os ganhos materiais e simbólicos do grupo discriminador. Na sociedade brasileira atual, onde contamos com leis que punem o preconceito, esperaríamos a erradicação da discriminação racial ou de gênero. Entretanto, a resposta é negativa a tal suposição, pelo menos para questões de raça e gênero. Diversos autores apontam para uma mudança na expressão desse preconceito assim como de seu conteúdo. Como tentativa de explicar o preconceito e a discriminação surge o estudo da personalidade autoritária, onde o ponto principal consiste em delegar ao sujeito a responsabilidade de comportamentos racistas como o antissemitismo.  Autores como Adorno (1950), entre outros, consideravam que o preconceito era um distúrbio da estrutura de personalidade autoritária. Estes autores sustentavam que a hostilidade contra os judeus muitas vezes coexistia com a hostilidade contra outras minorias. Mas estas pesquisas não encontraram suficiente suporte científico. De qualquer forma, parece correto afirmar que o preconceito contém fortes raízes emocionais. Mas especificamente, a frustração gera hostilidade que é redirecionada e descarregada em bodes expiatórios. Esse fenômeno é conhecido como “agressividade transferida”, onde os alvos para essa agressividade étnica representam, muitas vezes, grupos concorrentes percebidos como responsáveis pela frustração pessoal. Por outro lado, o preconceito se compõe também de elementos cognitivos. Myers (2000) afirma: “Compreender a estereotipagem e o preconceito também ajuda a lembrar como a nossa mente funciona. Como as maneiras pelas quais pensamos sobre o mundo – e o simplificamos – influenciam nossos estereótipos? E como os estereótipos afetam os nossos julgamentos? (...) as convicções estereotipadas e as atitudes preconceituosas existem não apenas por causa do condicionamento social e porque permitem às pessoas transferir hostilidades, mas também como subprodutos de processos de pensamentos normais”. (Myers, 2000, p. 197) Em outras palavras, a maioria dos estereótipos não é, na verdade, tanto produto da maldade das pessoas e sim da forma com elas simplificam os seus mundos complexos. Os estereótipos equivalem a ilusões perceptivas que são subprodutos da nossa capacidade de interpretar o mundo que nos rodeia. Assim, os estereótipos agrupam as pessoas em categorias que, por um lado, exageram a uniformidade dentro dos membros de um grupo e, por outro lado, aumentam as diferenças entre grupos. Somado a isto, a nossa percepção de pessoas distintivas e de ocorrências vividas nos levam muitas vezes à distorção de nossos julgamentos. Entendemos que pessoas distintivas são aquelas que se tornam salientes em um grupo por apresentar características totalmente únicas e diferentes do resto das demais. Certamente, os estereótipos existem em quase todos nós e são facilmente ativados podendo levar a manifestações cruéis aos membros de certos grupos. Os estereótipos afloram quase que automaticamente em certas condições, e este processo de ativação é muito difícil de ser controlado pelo indivíduo, especialmente quando não tem consciência dele. Mas, para podermos reduzir o preconceito, os estereótipos e a discriminação, segundo especialistas, a melhor maneira é a do contato. Mais explicitamente, precisamos colocar as pessoas de grupos diferentes colaborando as umas com as outras para poderem alcançar objetivos em comum. Esta seria uma atividade para ser praticada especialmente em escolas e com crianças. 
1 5 1
2014-05-06T15:56:43-03:00
Falar palavras oferssiva com outras pessoas ou ter preconceito contra a cor negra....