Respostas

2014-05-07T17:02:29-03:00
Má-fé e mentira são títulos próprios a circunstâncias totalmente diversas -este o ponto inicial a considerar na análise que Jean-Paul Sartre faz da má-fé A distinção assenta-se no seguinte: numa mentira nos encontramos sempre com uma relação transcendente entre um sujeito e um objeto; ou seja: quando mentimos, o que fazemos é apresentar sob o registro da verdade algo que, sabemos, devia antes ser reconhecido como falso. Pretendemos, então, que outra(s) pessoa(s) assuma(m) como rima verdade algo que nós mesmos não assumiríamos por reconhecermos não sustentar-se enquanto tal.Destaca-se aí a característica fundamental da mentira: a ilusão de verdade pela qual a mentira se constitui vale unicamente para as outras consciências, não para o sujeito que a cria. Com efeito, a idéia mesma de "mentira" implica em que o mentiroso esteja consciente de que o que ele propõe não é senão uma ilusão - uma ilusão que ilude aos demais, bem entendido, não ele próprio - voluntariamente sustentada. Desse modo, toda a problemática da mentira coloca-se ao nível das relações entre indivíduos; duas consciências, ao menos, estarão envolvidas nesse processo: para a consciência mentirosa a mentira se mostra exatamente enquanto tal; para a consciência que é iludida a mentira não aparece, justamente, enquanto mentira.