Respostas

2014-05-13T10:36:03-03:00

Esta é uma Resposta Verificada

×
As Respostas verificadas contém informações confiáveis, garantidas por um time de especialistas escolhido a dedo. O Brainly tem milhões de respostas de alta qualidade, todas cuidadosamente moderadas pela nossa comunidade de membros, e respostas verificadas são as melhores de todas.
Prezada,

Essa é uma excelente pergunta!  Pesquiso sobre esse assunto há décadas. Farei um resumo das melhores ideias que encontrei, pois essa diferença de desenvolvimento se deve a muitos fatores.

Em princípio, é importante esclarecer que isso não se deve ao fato da "raça" ou nacionalidade do colonizador. Nenhum povo é, geneticamente, superior a outro. Veja, por exemplo, que os ingleses colonizaram a Guiana, que é um país muito pobre e localizado aqui na América do Sul.

Apesar disso, há influências do tipo de colonização que esses territórios sofreram. Nas colônias inglesas do Centro-Norte que hoje são  parte dos territórios dos Estados Unidos, bem como no Canadá houve, desde o início, a colonização ou invasão de povoamento. Trata-se da chegada de imigrantes de maneira mais livre, sem tanto controle estatal do país colonizador. Desse modo, os colonos tinham a possibilidade de comercializar de maneira mais livre, estimulando o empreendedorismo e a busca pela inovação (muitos dos produtos modernos foram inventados e produzidos em quantidade nos EUA). Por outro lado, na América Latina e nas colônias do sul dos Estados Unidos predominou a colonização de exploração, que era, fortemente, controlada através do protecionismo e do monopólio, de maneira a garantir uma balança comercial favorável à metrópole. Com isso, era mais importante ser "amigo"  do rei ou dos poderosos do que oferecer um produto ou serviço de qualidade ou inovador, contexto que favorece a corrupção.

Assim, na América Latina não havia um ambiente competitivo mais ou menos justo, de maneira que, por exemplo, houve leis proibindo meu Estado, o Rio Grande do Norte, de produzir sal (hoje o RN é responsável por produzir mais de 95% desse produto no Brasil). Uma lei desse tipo não beneficia a população, ou seja, a política e as leis, meramente, beneficiavam os poderosos, quer sejam os de Portugal quer a elite que assumiu a posição após a independência.

Outro fator importante para esse desenvolvimento desigual está no grau de escolaridade e estímulo à leitura que havia nessas diferentes regiões da América. Nas colônias de povoamento, a maior parte das pessoas era estimulada a se alfabetizar para que pudesse ler a bíblia. Desse modo, havia espaço para a profissionalização e a criação de universidades (o Brasil só passou a ter universidade no século XX). O governo português proibia a existência de tipografias (locais para impressão de jornais, livros etc.). Além disso, não havia interesse em estimular a educação no Brasil e em outros países, haja vista que durante boa parte do século XX, os analfabetos não podiam votar. Desse modo, as elites não tinham qualquer interesse em estimular a alfabetização do povo. Enquanto isso, nos Estados Unidos e Canadá, a população, empoderada, podia questionar as leis e participar do processo decisório.

As guerras mundiais entre as nações mais poderosas também contribuíram, ao possibilitar que os Estados Unidos e Canadá se desenvolvessem e prosperassem, haja vista que não havia competidores para seus produtos. Isso também permitiu a industrialização de alguns países da América Latina, como o Brasil, mas em menor proporção.

Tudo isso vai resultar no papel que os países subdesenvolvidos apresentam no comércio mundial: nós vendemos as matérias-primas, eles as compram, agregam valor (obtendo, assim, melhores empregos, técnicas, salários) e nos vendem os materiais que fornecemos, convertidos em produtos, por um preço muito mais alto do que pagaram.

Isso ocorre devido aos países subdesenvolvidos quase só terem condições de ocupar o papel de fornecedores de matérias-primas, haja vista que tal atividade não requer uma grande quantidade de trabalhadores altamente qualificados, recurso dos quais carecem.

Os países "intermediários" são aqueles cuja atividade industrial não está marcada pelo desenvolvimento de tecnologia de ponta, nem a geração de royalties, ou mesmo de produtos inovadores. Basicamente, geram produtos padrões, com bastante competição no mercado, de modo que os valores gerados não são tão elevados quanto aos dos países desenvolvidos com tecnologia inovadora.

Já os países desenvolvidos trabalham com a criação de produtos inovadores, sem ou com pouca concorrência no mercado por ser algo novo, de modo que os valores são bem mais elevados (pensem no preço de carros ou aviões, por exemplo).

Obviamente, a posição de um país enquanto subdesenvolvido, intermediário ou em desenvolvimento, ou desenvolvido não depende, apenas, da vontade dos governantes. É preciso investimento de longo prazo, educação de qualidade, bem como estímulos à criatividade, à inovação e um cenário comercial favorável, possibilitando o desenvolvimento.

Para melhor compreender todo esse processo, sugiro que veja os vídeos " Armas germes e Aço Conquista" , " A História do Mundo em Duas Horas ", e " Construindo um Império - Os Astecas  ", encontrados facilmente no you..tube.

Bons estudos!
1 5 1
Sigo escrevendo. Dentro de alguns minutos, terminarei o texto.
Pronto. Boa aprendizagem! ^^