Respostas

2014-06-04T09:35:57-03:00
Em se tratando dos movimentos literários, torna-se evidente que alguns se complementam e outros se opõem em relação às suas ideologias. Em face dessa realidade, tomemos como exemplo o Concretismo, cujo foco se voltou muito mais para a forma do que para o conteúdo propriamente dito. Assim, seus seguidores optaram por trabalhar a parte material da palavra, explorando-a nos seus mais íntimos aspectos, sobretudo os sonoros, visuais e semânticos, fazendo do visual, do simbólico, seu ponto de partida e, por que não dizer?, de chegada, haja vista que a poesia concreta ainda é bastante influente no panorama literário vigente. 

Dessa forma, como afirmado anteriormente, em consonância com esse movimento (o Concretismo), surgiu a poesia social, atuando como uma espécie de contraposição ao radicalismo cultuado pelo movimento anterior. Os autores dessa modalidade de poesia, diferentemente do que fizeram os concretistas,reabilitaram o verso e o sentimento lírico por excelência, fazendo de tais recursos um instrumento de denúncia social

Frente a essa linha de pensamento, autores como Ferreira Gullar, Thiago de Melo e Afonso Romano de Sant’Anna fizeram da palavra, demarcada por uma linguagem beirada ao cotidiano, o principal alvo de participação junto aos problemas sociais e políticos que assolaram a época em questão. 

Assim, de modo a constatarmos tais pressupostos, analisemos uma das muitas criações de Ferreira Gullar, intitulada “Não há vagas”: