Respostas

2013-07-25T21:59:31-03:00

      “O primeiro dever passado pelo novo professor de português foi uma descrição tendo o mar como tema. A classe inspirou-se, toda ela, nos encapelados mares de Camões, aqueles nunca dantes navegados; o episódio do Adamastor foi reescrito pela meninada. Prisioneiro no internato, eu vivia na saudade das praias do Pontal onde conhecera a liberdade e o sonho. O mar de Ilhéus foi o tema de minha descrição. Padre Cabral levara os deveres para corrigir em sua cela. 
Na aula seguinte, entre risonho e solene, anunciou a existência de uma vocação autêntica de escritor naquela sala de aula. Pediu que escutassem com atenção o dever que ia ler. Tinha certeza, afirmou, que o autor daquela página seria no futuro um escritor conhecido. Não regateou elogios. Eu acabara de completar onze anos.      Passei a ser uma personalidade, segundo os cânones do colégio, ao lado dos futebolistas, dos campeões de matemática e de religião, dos que obtinham medalhas. Fui admitido numa espécie de Círculo Literário onde brilhavam alunos mais velhos. Nem assim deixei de me sentir prisioneiro, sensação permanente durante os dois anos em que estudei no colégio dos jesuítas.     Houve, porém, sensível mudança na limitada vida do aluno interno: o padre Cabral tomou-me sob sua proteção e colocou em minhas mãos livros de sua estante. Primeiro "As Viagens de Gulliver", depois clássicos portugueses, traduções de ficcionistas ingleses e franceses.      Data dessa época minha paixão por Charles Dickens. Demoraria ainda a conhecer Mark Twain, o norte-americano não figurava entre os prediletos do padre Cabral. Recordo com carinho a figura do jesuíta português erudito e amável.      Menos por me haver anunciado escritor, sobretudo por me haver dado o amor aos livros, por me haver revelado o mundo da criação literária. Ajudou-me a suportar aqueles dois anos de internato, a fazer mais leve a minha prisão, minha primeira prisão”.

(Jorge Amado)  Nasce um escritor 

1. Padre Cabral, numa determinada passagem do texto, ordena que os alunos: 

a) Façam uma descrição sobre o mar; 
b) Descrevam os mares encapelados de Camões; 
c) Reescrevam o episódio do Gigante Adamastor;. 
d) Façam uma descrição dos mares nunca dantes navegados; 
e) Retirem de Camões inspiração para descrever o mar. 

2. Segundo o texto, para executar o dever imposto por Padre Cabral, a classe toda usou de um certo:

a) Conhecimento extraído de "As viagens de Gulliver"; 
b) Assunto extraído de traduções de ficcionistas ingleses e franceses; 
c) Amor por Charles Dickens; 
d) Mar descrito por Mark Twain; 
e) Saber já feito, já explorado por célebre autor. 

3. Apenas o narrador foi diferente, porque:

a) Lia Camões; 
b) Se baseou na própria vivência; 
c) Conhecia os ficcionistas ingleses e franceses; 
d) Tinha conhecimento das obras de Mark Twain; 
e) Sua descrição não foi corrigida na cela de Padre Cabral. 

4. O narrador confessa que no internato lhe faltava:

a) A leitura de Os Lusíadas; 
b) O episódio do Adamastor; 
c) Liberdade e sonho; 
d) Vocação autêntica de escritor; 
e) Respeitável personalidade. 

5. Todos os alunos apresentaram seus trabalhos, mas só foi um elogiado, porque revelava:

a) Liberdade;
b) Sonho; 
c) Imparcialidade; 
d) Originalidade; 
e) Resignação. 

2 5 2