Respostas

2014-07-25T21:56:51-03:00

Esta é uma Resposta Verificada

×
As Respostas verificadas contém informações confiáveis, garantidas por um time de especialistas escolhido a dedo. O Brainly tem milhões de respostas de alta qualidade, todas cuidadosamente moderadas pela nossa comunidade de membros, e respostas verificadas são as melhores de todas.
Prezada,

Boa pergunta! A resposta é não.

Como sempre, a política, a economia, e a religião influenciaram também essa mudança para a formação das monarquias nacionais. Isso está ligado à mudança da principal atividade econômica das regiões, que deixou de estar apoiada principalmente na agricultura para um sistema no qual o comércio assume maior importância.

Recorde que, na Idade Média, os feudos eram grandes faixas de terra sobre a administração de um senhor feudal, cuja economia girava em torno do trabalho dos servos que não eram escravos, mas estavam presos à terra.

Nesse sentido, as cruzadas (que não conseguiram conquistar Jerusalém para os cristãos, mas abriram as rotas de comércio no Mar Mediterrâneo), a peste negra (que matou mais de um terço da população europeia), bem como a fuga de servos em busca de uma vida melhor na cidade ou outros locais, arruinaram a economia feudal, pois de nada serviam as terras se não houvessem pessoas para cultivá-las.

Dessa maneira, com o apoio oferecido aos monarcas, fortalecendo a formação dos Estados Nacionais, os senhores feudais podiam escapar à miséria, exercendo funções administrativas e militares e recebendo recursos por isso. Os mais nobres eram aqueles que formavam a corte real, que eram oriundos de famílias antigamente muito ricas, de modo que passavam a vida sem fazer quase nada, na ociosidade, vivendo dos impostos reais.

Além disso, os comerciantes (os burgueses) agora com mais recursos devido ao acesso ao Mediterrâneo favorecendo o comércio após as cruzadas, conseguiram por meio do fortalecimento das monarquias nacionais unificar as leis e os impostos, de modo que as atividades comerciais deles foram favorecidas, pois antes esses impostos eram pagos em cada cidade sob jurisdição de um senhor feudal diferente, o que complicava o comércio e aumentava os custos.

Além disso, o estado nacional poderia contribuir com os interesses dos burgueses em ampliar seus negócios, ao permitir a reunião de recursos e poder necessários para grandes empreendimentos, como a expansão marítima europeia.

Portanto, podemos citar são a mudança do eixo econômico da vida rural para o comércio, e a falência do modelo feudal decorrente dos vários motivos supracitados, permitindo que muitos dos burgueses (comerciantes) e dos senhores feudais (os futuros nobres) apoiassem essa formação e fortalecimento dos estados modernos.

A centralização do poder na figura de um soberano auxiliou a garantir a quantidade de mudanças, bem como a permanência de privilégios, por exemplo, dos nobres, que viviam dos enormes impostos cobrados da população. Nesse sentido, os monarcas passaram a concentrar tanto poder a ponto de afirmarem que o país eram eles ou, como dizia Luís XIV da França "O Estado sou eu". Isso era, fortemente, apoiado pela capacidade dos reis em determinarem o monopólio de áreas comerciais, de maneira que era mais importante você ter contatos políticos com a família real do que ter um bom produto ou uma boa estratégia de negócio, o que favorecia a corrupção no estado absolutista.

Portanto, o renascimento urbano e a peste negra, bem como as cruzadas, foram eventos importantes para a decadência do feudalismo e o nascimento dos Estados nacionais.

Bons estudos!
11 4 11