Respostas

A melhor resposta!
2014-08-27T19:22:26-03:00
O patriarca dos Nishimura integrava a primeira onda de imigração japonesa que começou em 1908, quando 781 agricultores pobres chegaram ao porto de Santos a bordo do navio Kasato Maru para trabalhar em seis fazendas. 

O Brasil, que tinha abolido a escravidão 20 anos antes, precisava de mão-de-obra para as plantações de café, então o carro-chefe de sua economia, ao mesmo tempo em que a industrialização japonesa deixava sem trabalho sua população rural. 

Um século mais tarde - data celebrada nesta semana com a visita do príncipe herdeiro do Japão, Naruhito, a São Paulo e Santos -, há cerca de 1,5 milhão de descendentes de japoneses cuja influência sobre a sociedade brasileira envolve desde o setor agrícola e as artes marciais à arquitetura e o setor empresarial. 
O bairro paulistano da Liberdade representa um pedaço de Tóquio, com vários pórticos vermelhos de templos xintoístas. Restaurantes de soba e de sushi competem com os karaokês e supermercados nos quais se pode comprar o natto e vários tipos de molho de soja. 

O setor dos alimentos foi um dos mais beneficiados pela mistura cultural. 

Os imigrantes japoneses ajudaram a desenvolver vários tipos de frutas e vegetais inexistentes no Brasil, entre os quais o caqui, a maçã fuji e a mexerica poncã, além de contribuírem para melhorar as técnicas agrícolas e de pesca dos brasileiros, afirmou Celia Abe Oi, diretora de comunicações da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa. 

"Eles mudaram os hábitos alimentares dos brasileiros", disse Oi. "Eles introduziram vários produtos que não faziam parte da dieta nacional." 

Até mesmo o drinque brasileiro mais famoso, a caipirinha, ganhou uma versão japonesa com saquê. Feita com o tradicional vinho japonês de arroz no lugar da pinga, as sakerinhas tornaram-se populares em muitos bares pelo país. 

A diáspora japonesa forneceu uma porta de entrada para a influência cultural em vários níveis: dos mangás ao seriado de TV "Ultraman" nos anos 1980, da arquitetura ao design. 

O arquiteto Ruy Ohtake, filho da artista plástica Tomie Ohtake, disse que, apesar se suas raízes asiáticas, seus projetos são "marcadamente brasileiros". 

Ele citou como exemplo seu projeto para a Embaixada do Brasil em Tóquio, realizado nos anos 1980, quando surpreendeu muitos que esperavam ver uma construção de estilo japonês. 

"Algumas pessoas pensaram que eu faria algo bastante japonês. Mas minha formação deu-se toda aqui, de forma que o projeto acabou por revelar-se brasileiro."
2 5 2