Respostas

2014-08-29T13:05:59-03:00
O poder da organização é o que identifica as fraquezas e/ou ambições dos indivíduos e, consequentemente o poder de "premiar" e/ou 'punir" os seus empregados :.
1 5 1
2014-08-29T13:43:00-03:00
 O PODER NAS ORGANIZAÇÕES   Definimos como burocratização o processo gradual que se apresenta nas organizações, mediante o qual as relações se formalizam, a hierarquia se institucionaliza, a improvisação diminui, o trabalho de cada um se especializa, são criadas normas escritas, procedimentos e rotinas, se procura submeter a todos os membros da organização às mesmas regras e regulamentos e esses membros separam seus domicilio do local de trabalho.    As burocracias exercem um formidável controle sobre as pessoas que nelas trabalham, sobre a informação que flui e sobre as atividades que realizam. Deve-se compreender que o processo de burocratização e a estrutura organizacional formam dois aspectos complementares na vida de uma organização. A burocracia de uma organização forma a estrutura orgânica desta, ou ainda, a estrutura orgânica de uma administração está baseada no seu processo de burocratização. Um importante processo social é a capacidade que possuem os indivíduos ou grupo social de modificar o comportamento de outros grupos ou pessoas. Estas manifestações estão associadas a uma importante interação social entre os homens que denominamos poder. Poder, segundo Max Weber, significa toda probabilidade de impor a própria vontade numa relação social, mesmo contra resistências, seja qual for o fundamento dessa probabilidade. Embora de seu ponto de vista considere o poder “sociologicamente amorfo” podemos encontrar os fundamentos dessa probabilidade num leque que inclui a legitimidade e a não legitimidade. Weber afirmava que dominação é a probabilidade de encontrar obediência a uma ordem...A situação de dominação está ligada à presença efetiva de alguém mandando eficazmente em outros, mas não necessariamente à existência de um quadro administrativo nem a de uma associação; porém certamente – pelo menos em todos os casos normais – à existência de um dos dois. De acordo com Weber, a existência de um quadro administrativo configura uma forma de dominação. E qualquer que seja a associação, ela é sempre em algum grau associação de dominação, em virtude da existência de um quadro administrativo. É importante destacar que não basta a vontade de dominar o outro (ou outros), para que haja dominação; é necessário que haja disposição de obediência por parte do outro (ou outros). Do ponto de Weber toda dominação busca a legitimidade, o reconhecimento social de sua validade, e a sua institucionalização está baseada na figura da autoridade que, como vimos, pode ser racional-burocrática, tradicional e carismática, deste modo teríamos os tipos de dominação: legal, tradicional e carismática. O exercício do poder, de acordo com Weber, está relacionado com a administração, é inerente à função gerencial, pois trata-se de induzir pessoas a agirem de acordo com determinadas expectativas. Visto desta maneira, quem administra o faz influenciando o comportamento de outras pessoas, portanto exercendo algum poder. Seja institucional, derivado do cargo que ocupa, seja motivado pela capacidade pessoal, ou ambos. Denominamos força ao uso ou ameaça, a coerção física pode ser expressa através de armas de todo o tipo uma lança, um revolver, etc. É um importante atributo da força. Compreende-se como autoridade um direito estabelecido para tomar decisões e ordenar ações de outrem. Dito de outro modo é a legitimação do poder, através da incorporação de conteúdo jurídico e/ou moral. Essa legitimidade assenta sobre o consentimento durável e tendente à unanimidade entre os membros de uma sociedade ou de um grupo social. Chamamos de influencia a habilidade para afetar as decisões e ações de outros, mesmo não possuindo autoridade ou força para assim proceder. É influente um individuo que consegue modificar o comportamento dos outros sem ocupar um cargo público ou provado, e não utilizar nenhuma forma de coerção física. Na estrutura de funcionamento das organizações, a questão do poder é fundamental, pois trata-se de um sistema de relações sociais em que existe permanentemente uma hierarquização baseada em diferentes capacidades dos indivíduos nas posições que se ocupam nestas organizações. O poder e o controle ocupam um lugar central na vida das organizações e na existência dos seres humanos. Ainda segundo Weber,  características individuais modificam freqüentemente o sistema formal e em grande parte determinam a verdadeira estrutura do poder que emergirá.