Respostas

2013-09-04T19:21:36-03:00
No final dos seculo 14 teve uma transformação muito grande e importante em portugal  que foi a morte do rei D. Fernando em 1383, deu a formação de uma crise politica que, envolveu varios grupos sociais e que levou ao poder uma nova familia real e iniciou uma orientação diferente na vida dos portugueses, D. Fernando tinha uma filha que se chamava D. Beatriz com 12 anos de idade ela foi casada com o rei de castela, e pois assim uma serie de guerras em que D fernando se envolveu com aquele reino.
40 3 40
2013-09-04T19:28:14-03:00
Revolução de Avis04/07/2010Durante o período de grande crise do século XIV, as rotas terrestres entre a França e os Flandres tiveram que ser fechadas, na tentativa de se evitar a propagação das guerras constantes do período e da peste bubônica.
Assim, Portugal tornou-se passagem obrigatória no caminho que levava do Mar Mediterrâneo ao Mar do Norte e vice-versa. Essa posição privilegiada impulsionou grandemente o crescimento econômico da burguesia mercantil portuguesa. 
Entretanto, se por um lado a crise beneficiava a burguesia, por outro dizimava a população rural. 
Esta última sofria diretamente com as guerras e com a peste. Quem não sucumbia a alguma dessas duas adversidades, ou revoltava-se ou migrava para as cidades. O êxodo rural tornou-se imenso e, para freá-lo, o rei lusitano Afonso IV proclamou a Lei das Sesmarias. 
De acordo com essa legislação, os proprietários de terras não-cultivadas perdiam o direito a elas. Ou seja, a lei fazia com que os latifundiários se vissem na obrigação de impedir a migração dos camponeses, garantindo assim a produtividade das terras e, portanto, sua manutenção. 
Tal medida, que prejudicava a nobreza proprietária favorecia claramente a burguesia, mostrando sua influência junto ao rei. 
Portanto, o momento era, em todos os sentidos, bastante próspero para a classe burguesa, que usufruia de um período de ascensão em meio à crise geral. Em 1383, o último rei da dinastia de Borgonha, D. Fernando I, morreu sem deixar herdeiros. 
A ausência de descendentes reais lançou Portugal numa séria crise monárquica, cujos desdobramentos só viriam a provar a hegemonia burguesa na nação. Instaurou-se dois grupos rivais na disputa pelo trono: de um lado, Dona Leonor Teles (viúva de D. Fernando), que comandava o grupo apoiado pela nobreza tradicional, defendia a união de Portugal ao reino de Castela; de outro lado, D. João (Mestre de Avis e irmão ilegítimo de D. Fernando), que encabeçava o grupo apoiado pela burguesia, pela nobreza militar e pelas plebes urbanas e rurais. 
Uma eventual união de Portugal com Castela seria desastrosa para a burguesia portuguesa. Explica-se: a Espanha (onde estava Castela) vivia ainda sob estrito contexto feudalista, ao passo que os portugueses já apresentavam claros sinais do desenvolvimento que logo situaria a nação como a mais poderosa do mundo conhecido. 
Como uma solução pacífica para o impasse não foi alcançada, o conflito armado tornou-se inevitável. 

Por fim, em 1385, na batalha de Aljubarrota, as tropas de D. João esmagaram os castelhanos. 

Iniciava-se desta forma a dinastia de Avis em Portugal, que seria marcada pela consolidação da aliança real com a burguesia, o que possibilitou uma centralização monárquica até então inédita na história do país. Tal centralização levaria a um grande crescimento e faria de Portugal a primeira nação européia a expandir seus limites para territórios extracontinentais, através das conquistas coloniais ultramarinas.

Saiba Mais no GrupoEscolar.com: http://www.grupoescolar.com/pesquisa/revolucao-de-avis.html
12 4 12