Respostas

2013-09-12T09:18:09-03:00
Com raras exceções, muito pouco mudaram o pensar filosófico, pois os sofistas (literalmente, "sábios") eram todos estrangeiros. Excluídos assim da condição de cidadãos, não se interessavam diretamente pelos destinos da cidade. Assim, não se preocupavam com o que uma argumentação poderia ter de justo ou injusto, moral ou imoral - isso é assunto dos cidadãos. Bastava-lhes que seus discípulos aprendessem a falar - não importava o quê, mas bem, de modo convincente - e que os remunerassem pelo ensino. Dizia-se até que um aluno, para se considerar apto, devia convencer o mestre a não receber o pagamento; se não conseguisse convencê-lo, a lição fora mal ministrada e não merecia remuneração. Se o conseguisse, não haveria por que pagar.Os mais conhecidos são Hípias ( nascido na Élida no séc. V a.C.), Górgias ( c. 487-380 a.C.) e Protágoras ( c. 485-410 a.C).