O pensamento de Hannah Arendt sempre me atraiu e foi dela que furtei a expressão “verdade factual”, cuja busca é fundamento do jornalismo. Nem bom, nem mau, jornalismo, e ponto. Digo, aquele que a mídia nativa não costuma praticar. Entra em cartaz um filme de Margarethe von Trotta, a cineasta alemã, intitulado Hannah Arendt. E lá vou eu, devidamente que enriquece a reportagem, mas não tentem explicar o conceito aos editores dos nossos jornalões e revistões. A escritora aceita a tarefa insólita, e viaja a Jerusalém, onde a esperam velhos e queridos amigos. Von Trotta insere na sua filmagem trechos do documentário realizado durante o processo, e sabe escolhê-los, de sorte a expor a personalidade do réu a bem da fluência do enredo. Passa-se um tempo antes que Hannah, de volta a Nova York, onde vive e leciona, passe à escrita. Uma demorada reflexão obriga-a a um penoso exercício de espeleologia interior, à caça do verdadeiro rosto de Eichmann. Quem é ele? Um homem que não pensa, conclui a filósofa-repórter, algo assim como um autômato. E esta é verdade factual. Burocrata zeloso, Eichmann incumbe-se da inexorável pontualidade dos trens que carregam dezenas de milhares de judeus para os fornos crematórios, assim como faria se em lugar de seres humanos houvesse gado, ou cães raivosos. Ele executa ordens sem inquirir a sua consciência a respeito de coisa alguma, com obediência robótica à vontade do Führer. Desta investigação alma adentro de um criminoso exemplar nasceria uma das obras mais notáveis de Hannah Arendt, A Banalidade do Mal. A nação judia entendeu que uma das suas cabeças privilegiadas defendia Eichmann, e mesmo os amigos mais queridos, e os diretores da universidade onde lecionava, a condenaram sem recurso. Eles também não pensavam. Outro filósofo disse “penso, logo existo”. No entanto, que significa pensar? Tudo se reduziria apenas e tão somente à consciência da existência? Donde, à percepção do efêmero, colhida pelo ser pré-histórico, talvez em meio a uma clareira remota iluminada pela lua, ao erguer os olhos e se inteirar pela primeira vez do céu estrelado. Hannah apontou também as responsabilidades das lideranças judias, que, entre outras coisas, não haviam hesitado em violar as fronteiras argentinas e em evitar um processo internacional como a Justiça recomendava. Com isso, piorou muito a sua situação aos olhos judeus. Impecável, de verdadeiro jornalista, foi o comportamento do diretor da New Yorker. Até seus colaboradores mais próximos se empenharam para impedir a publicação dos textos da “enviada especial”. Ele foi até o fim e os estampou sem arrependimentos. O homem é um bicho imperfeito, muito imperfeito, a gente sabe. Dispõe dos instrumentos para pensar, mas a maioria não sabe usá-los. A maioria felizmente não é de criminosos nazistas, mas é incapaz de fugas do clichê, do chavão, do lugar-comum, da frase feita. Deste ponto de vista, a sociedade emergente do Brasil é imbatível, ipsis litteris repete incansável as passagens mais candentes dos textos de jornalões e revistões enquanto os jornalistas aderem automaticamente às crenças dos seus patrões. Na terra da casa-grande e da senzala, a maioria vive ainda no limbo e os senhores jogam ao lixo o patrimônio Brasil. O mundo atravessa dias decadentes, é inegável. O País, contudo, bate recordes nestas areias movediças.

Escreva um texto dissertativo associando os termos jornalões e revistões à afirmação: O homem é um bicho imperfeito, muito imperfeito, a gente sabe. Dispõe dos instrumentos para pensar, mas a maioria não sabe usá-los?


1

Respostas

2013-09-28T14:45:24-03:00
Os grandes jornais tem desempenhado um verdadeiro pastelão no que diz respeito a opinião pública, o fato de alguns serem de grande circulação agem como se fossem os donos da verdade induzindo o as idéias das pessoas, as mesmas que compram esse enunciados. O ser humano vem se limitando a adquirir informações prontas, assim atrofiando sua capacidade de pensar por si, compra saberes secundários, não buscam se inteirar da veracidade do que lhe passado. Estamos sendo escravizados por jornais, revista e televisões, que manipulam os nossos pensamentos e até mesmo desejos, muitos de nós não sabem diferenciar até aonde é sua própria personalidade, ou moda ditada pela mídia. È necessário que se busque conhecer, e definir o seu próprio ponto de vista.
29 4 29
valeu... finalmente consegui fazer o meu... no seu texto só faltou a expressão "extremamente alienados" kkk
bgd a todos por me darem uma luz para fazer minha atividade
As pessoas a cada dia que se passa está se limitando a buscar novas informações, não basta pesquisar em uma única mídia uma determinada polemica é necessário investigar, para obter informações e pensamentos próprios.
disse tudo!
OBIGADOOOOOOOOOO