Respostas

2013-10-07T16:17:17-03:00
O ensino jurídico hoje ministrado nas academias ainda perpetua práticas acadêmicas fragmentárias, herança do fracassado paradigma científico moderno propagado, entre tantos, pelos adeptos do taylorismo.Em oposição aos fortes resquícios desse modelo, a construção do saber está a pugnar práticas pedagógicas holísticas, inter e transdisciplinares, bem assim a repartição do saber-poder, realidade ainda distante de muitas instituições educacionais.
Por essas razões, aos estudantes de direito, atuais e futuros cientistas da ciência jurídica, incumbe a inarredável vocação da re-flexão, do (filosófico) estranhamento diante das muitas certezas im-postas pela experiência sócio-profissional e, muitas vezes, também pelas lições acadêmicas. Para tanto, precisarão desvendar os princípios, os fundamentos ou a ratio essendi da ciência jurídica, e não há como fazê-lo senão mediante o diálogo, a interação e, muitas vezes, a solitária pesquisa. Noutros termos, aos alunos se impõe o constante exercício da cogitação acerca dos derradeiros fins que fazem a essência do saber jurídico, de modo a perseguirem, com a devida autonomia intelectual, uma ontologia e uma deontologia do direito, o que, aliás, lhes possibilitará transitar do papel de meros repetidores de textos legais para o profícuo papel de juristas.