Respostas

2013-10-10T19:41:50-03:00
BTipos de vírus
VHB, da família dos hepadnavírus. 
O genoma é constituído por ADN (ácido desoxirribonucleico). 
Encontra-se no homem doente e no portador. 
Tem um período de incubação lento, entre as seis semanas e os seis meses. 
É mais comum na Ásia, Pacífico e África inter-tropical, do que no mundo ocidental. 

Características
Descoberta em 1965, é a mais perigosa das hepatites e uma das doenças mais graves do mundo. Torna-se crónica em menos de 10% dos casos. Pode ser fatal. 
Existem 350 milhões de portadores crónicos do vírus que podem desenvolver doenças hepáticas graves, como a cirrose e o cancro do fígado. 
Nos países em desenvolvimento, as crianças são as mais afectadas, enquanto no mundo industrializado, o vírus é sobretudo transmitido aos jovens adultos, por contacto sexual e na partilha de seringas entre os utilizadores de drogas injectáveis. 

Sintomas
Os primeiros sintomas são febre, mal-estar, desconforto, dores abdominais; mais tarde surgem icterícia, urina escura e fezes claras. 
Esta hepatite decorre sem sintomas em 90 por cento dos casos. 

Tratamento
A hepatite aguda B é tratada com repouso. 
Na hepatite crónica, usa-se o interferão ou o peginterferão durante seis a doze meses. 
O tratamento com análogos dos nucleósidos, como a lamivudina ou o adefovir, é outra terapêutica utilizada. 
O tratamento tem uma eficácia de 15 a 45 %. 

Transmissão
Através: 
- do contacto com sangue contaminado (partilha de seringas e outros materiais usados pelos consumidores de drogas intravenosas, tatuagens, acupunctura, transfusões de sangue e derivados 
- do contacto sexual 
- da transmissão materno-fetal. 

Formas de evitar contágio
Evitar o contacto com sangue infectado, não partilhar objectos cortantes e perfurantes que possam ter estado em contacto com sangue contaminado, nem seringas e outros objectos utilizados na preparação e consumo de drogas injectáveis e inaláveis e usar sempre preservativo nas relações sexuais. 
Também se deve ter cuidado com a colocação de piercings, a realização de tatuagens e de tratamentos de acupunctura, se os instrumentos utilizados não estiverem esterilizados. 
Os familiares de um portador deste vírus devem fazer a vacina contra a hepatite B. 

Vacina
Existe uma vacina contra a hepatite B desde 1981 que tem uma eficácia de 95%. 
É administrada em três doses e pode ser tomada por todos, desde que não estejam já infectados com o VHB. Os bebés, filhos de mães portadoras, são vacinados à nascença. 
Esta vacina faz parte do Programa Nacional de Vacinação. 

CTipos de vírus
VHC, um vírus ARN da família dos flaviviridus 
O período de incubação oscila entre os 15 e os 150 dias. 
Este vírus tem seis genótipos diferentes e uma grande capacidade de se modificar, o que dificulta a produção de uma vacina eficaz. 

Características
A infecção pelo VHC evolui para uma hepatite crónica em 80% dos casos. 
Estima-se que existam 150 mil portadores crónicos do vírus em Portugal. 
Os principais atingidos são os consumidores de drogas injectáveis e as pessoas que receberam uma transfusão de sangue antes de 1992. 
Pode evoluir para uma doença hepática grave e é, em Portugal, a principal causa de cancro do fígado. 
Pode ser fatal. 

Sintomas
Em 75% dos casos os infectados pelo VHC não apresentam sintomas.Podem 
ocorrer letargia, mal-estar geral e intestinal, febre, perda de apetite, intolerância ao álcool, dores na zona do fígado e, muito raramente, icterícia. 
O indivíduo com infecção crónica pelo vírus da hepatite C pode não apresentar qualquer sintoma e, no entanto, estar a desenvolver uma cirrose ou um cancro do fígado. 

Tratamento
O tratamento da hepatite C crónica faz-se com peginterferão, para impedir a multiplicação do vírus e estimular a destruição das células afectadas. 
Usa-se também a ribavirina que, combinada com o peginterferão, permite melhores respostas ao tratamento. 
Em situações mais graves, de doença hepática avançada,é necessário fazer um transplante de fígado (o risco de recidiva é de 90 a 100%). 

Transmissão
Através de sangue ou produtos sanguíneos contaminados. 
A transmissão por via sexual é rara, mas pode ocorrer. 
Existe um risco de 6% da mãe infectada poder transmitir o vírus ao feto. 
É frequente nos toxicodependentes intravenosos. 
Com o despiste sistemático do anti-VHC nos dadores de sangue, a partir de 1992, a hepatice C pós-transfusional tornou-se excepcional. 

Formas de evitar contágio
Não usar escovas de dentes, lâminas, tesouras ou outros objectos de uso pessoal que possam ter estado em contacto com sangue contaminado. 
Não partilhar seringas e outros objectos usados na preparação de drogas injectáveis e inaláveis. 
Tratar das feridas e cobri-las com pensos ou ligaduras. 
Usar preservativo nas relações sexuais, sobretudo se tem vários parceiros. 

Vacina
Não existe uma vacina para a hepatite C.