Respostas

2013-04-08T23:07:27-03:00

Considere duas placas paralelas e ambas eletrizadas uniformemente com cargas de sinais opostos que originam um campo elétrico uniforme. 

Quando colocada uma carga elétrica puntiforme entre as placas, como na figura a seguir, a carga elétrica deslocará do ponto A ao ponto B sob a ação da força elétrica F = q.E.

No ponto A, a carga encontra-se em repouso, e ao chegar ao ponto B, ela terá velocidade e, associada a ela, energia cinética. 

Logo percebemos que no ponto A, a carga tem, associada a ela, energia em potencial com relação a B e essa energia é chamada de energia potencial elétrica. 

Ao longo da trajetória da carga q do ponto A ao ponto B, na medida em que ela ganha velocidade, a energia potencial elétrica vai diminuindo; e a soma dessas duas formas de energia ao longo de toda a trajetória resulta sempre em um mesmo valor; logo, a força elétrica é conservativa e o trabalho realizado por ela entre dois pontos independe da trajetória.

T = f.d.cosθ   -  T = q.E.d.cosθ, quando a força é paralela ao deslocamento θ = 0 e o cos0 = 1.

Então T = q.E.d 
T = trabalho (J) 
q = quantidade de carga (C) 
E = campo elétrico (N/C) 

Considere duas cargas Q e q positivas; sendo Q fixa e q abandonada no campo originado por Q, q começará a se deslocar sob a ação da força elétrica proveniente de Q. O trabalho realizado por essa força, do ponto de partida a uma distância d’, é a energia potencial que a carga q adquire.

A energia potencial elétrica entre duas cargas, sendo uma delas fixa, é calculada através da expressão: 

Epel = k.Q.q.[(1/d – 1/d’) e quando d’ é muito maior que d Epel = = k.Q.q/d. 

Epel = energia potencial elétrica 
K = constante eletrostática (N.m²/C²) 
Q e q = carga elétrica (C) 
d e d’ = distância entre as cargas (m)

1 5 1