Respostas

2013-04-10T16:52:38-03:00

Traços Culturais Básicos
| topo |

Podemos sintetizar a condição cultural brasileira com uma única expressão: "Fragilidade Cultural". Senão vejamos.

Na formação cultural brasileira distinguem-se duas vertentes principais. Na primeira delas incluímos a "Cultura Negra", de procedência africana, e a "Cultura Índia", autóctone. Na segunda, a "Cultura Européia Latina".

Agrupamos a "Cultura Negra" e a "Cultura Índia" numa mesma vertente pelo fato de se encontrarem num mesmo nível de desenvolvimento: o pré-lógico ou ecológico /R8/. Nestas culturas a problemática central de sobrevivência gira em torno da adaptação ao meio físico. São sociedades sem destino, sem significação (numa acepção estritamente técnica) e sem "projeto". Vivenciam assim um tempo cósmico, a-histórico, circular da revolução dos astros e da recorrência das estações do "ano".

Dada a proeminência da adaptação à natureza, seus deuses são o resultado da absolutização dos próprios fenômenos e forças naturais, onde a fertilidade - tanto a humana quanto a da natureza - ganha um papel de relevo.

Sociedades sem escrita. Sua macro organização não vai além da tribo ou de uma eventual e frágil aliança intertribal. A liberdade individual não é exercida pois a sociedade absorve inteiramente a individualidade. Não há justificativa para a iniciativa individual pois, em última instância, são os seus deuses que lançam os dados do destino. Mais valem as "ações" propiciatórias da fortuna do que ações decorrentes e consequentes de um "projeto".

É uma cultura muito pouco afeita à abstração. Com grande dificuldades de compreensão dos conceitos que não possuem um referente visível. O plano verbal conserva-se muito próximo do plano das coisas, o que facilita sobremaneira a confusão de planos. As dificuldades da vida concreta são transpostas para o plano verbal e verbalmente resolvidas na expectativa de que esta solução se transporte de volta à vida concreta. Para resolver problemas apelam para a magia, trocam nomes, expurgam índices e assim por diante.

A segunda vertente da formação de nossa cultura - a contribuição propriamente ocidental - nos vem de Portugal: a "Cultura Européia Latina" que a muitos parece ser uma mera versão, em contraposição à "Cultura Anglo-Saxônica", de uma só "Cultura Ocidental Cristã".

Em verdade, entretanto, a "Cultura Européia Latina" não passa de mera estratificação de uma cultura de transição que surge da passagem da "Cultura Cristã Medieval" para a "Cultura Ocidental Moderna" ou "Anglo-Saxônica".

Este período de transição tem suas balisas. De um lado, com a imposição do aristotelismo tomista como doutrina exclusiva e oficial da Igreja Romana em meados do século XIII. De outro lado, com a vitória dos liberais burgueses contra o absolutismo real nas revoluções que varreram a Europa nos fins do século XVI. Portugal é uma das nações onde veio dominar a versão aristotélico tomista do cristianismo. Uma das nações onde a revolução liberal perdeu a parada para a realeza aliada à hierarquia religiosa.

Ficou pois como traço fundamental destas estratificações culturais o "sistema" e a "hierarquia". A realidade social são os "papéis" que o sistema define e hierarquiza; que o sistema estrutura: estática e definitivamente.

Nesta cultura uns poucos ousam subtrair-se ao "sistema", mas para, certamente, a ele retornar. Não são inovadores, nem inventores, muito menos contestadores do sistema. São apenas aventureiros. Não saem ao encontro do próprio futuro, o que no íntimo seria pecado mortal contra o sistema que justamente veio para abolir: o futuro. Saem para uma aventura no caos e à barbárie, características do que está fora dos limites do sistema. O que almejam é a reinserção no mesmo sistema, apenas num "papel" de maior relevo e/ou hierarquia. Esta saída temporária do sistema é apenas para dar oportunidade à fortuna para escolhê-lo. No fundo, esta saída é apenas uma ventura propiciatória.

Na cultura do sistema não há lugar para o projeto. O futuro não se faz ou se quer. Ele é resultado do jogo de permutação de Deus. O sistema apenas funciona e nada mais.

A cultura do sistema é uma cultura sem identidade. Sem retrospectiva histórica e, consequentemente, sem prospectiva. Uma cultura que só pode sobreviver numa condição de dependência política e econômica de uma cultura que se assume "projeto", como a "Cultura Ocidental Anglo-Saxônica", como era a Inglaterra. E ela Portugal se acomodou.

Estas duas componentes da formação cultural brasileira são o bastante para caracterizá-la no que ela tem de essencial.

O desnível lógico entre estas culturas - as culturas negra e índia são pré-lógicas e a cultura européia latina é lógico formal - dá ensejo a que se instaure uma dominação culturalfácil e sem riscos porque é uma dominação quase-imperceptível, com base na qual pode-se exercer uma duradoura dominação política e econômica.

É importante notar que não se trata, em absoluto, de qualquer fenômeno de natureza racial, mas tão somente de natureza cultural. Tanto é assim que o que originalmente poder-se-ia denominar cultura negra hoje é cultura do "povão", não importando a origem étnica dos que a assumem. De igual modo, a cultura européia latina tornou-se hoje a cultura da "elite", nela incluindo-se a cultura da classe média, sem distinção racial.

2013-04-10T17:17:24-03:00

As origens do que denominamos hoje sociedade brasileira estão no período colonial. Nessa época foram lançadas as bases organizativas inicais de uma sociedade com composição populacional e relações sociais diferenciadas. Brancos, negros (ecravos e libertos) e indígenas, dando origem a uma série de misturas étnicas, como o mameluco ou caboclo (índio com branco), o cafuzo (negro com índio) e o mulato (negro com branco), ergueram no continente recém-descoberto pelos europeus uma cultura e uma sociedade únicas, diferentes das encontradas na metrópole, embora tivessem em comum a língua portuguesa.