Respostas

2013-04-11T19:28:47-03:00

A INTUIÇÃO é uma compreensão global e instantânea de uma verdade, de um objeto, de um fato. Nela, de uma só vez, a razão capta todas as relações que constituem a realidade e a verdade da coisa intuída. É um ato intelectual de discernimento e compreensão, como, por exemplo, tem um médico quando faz um diagnóstico e apreende de uma só vez a doença, sua causa e o modo de trata-la. Os psicólogos se referem à intuição usando o termo insight, para referirem-se ao momento em que temos uma compreensão total, direta e imediata de alguma coisa, ou o momento em que percebemos, num só lance, um caminho para a solução de um problema científico, filosófico ou vital.
A RAZÃO DISCURSIVA: DEDUÇÃO, INDUÇÃO E ABDUÇÃO

A intuição pode ser o ponto de chegada, a conclusão de um processo de conhecimento, e pode também ser o ponto de partida de um processo cognitivo. O processo de conhecimento, seja o que chega a uma intuição, seja o que parte dela, constitui a razão discursiva ou o raciocínio.
Ao contrário da intuição, o raciocínio é o conhecimento que exige provas e demonstrações e se realiza igualmente por meio de provas e demonstrações das verdades que estão sendo conhecidas ou investigadas. Não é um ato intelectual, mas são vários atos intelectuais internamente ligados ou conectados, formando um processo de conhecimento

4 4 4
2013-04-11T19:29:41-03:00

A RAZÃO
Em nossa vida cotidiana usamos a palavra razão em muitos sentidos. Dizemos, por exemplo, “Eu estou com a razão”, ou “Ele não tem razão”, para significar que nos sentimos seguros de alguma coisa ou que sabemos com certeza alguma coisa. Também dizemos que, num momento de fúria ou de desespero, “Alguém perde a razão”, como se a razão fosse alguma coisa que se pode ter ou não ter, possuir e perder, ou recuperar, como na frase: “Agora ela está lúcida, recuperou a razão”.
Falamos também frases como: “Se você me disser suas razões, sou capaz de fazer o que você me pede”, querendo dizer com isso que queremos ouvir os motivos que alguém tem para querer ou fazer alguma coisa. Fazemos perguntas como: “Qual a razão disso?”, querendo saber qual a causa de alguma coisa e, nesse caso, a razão parece ser alguma propriedade que as próprias coisas teriam, já que teriam uma causa.
Assim, usamos razão para nos referirmos a motivos de alguém e também para nos referirmos a causas de alguma coisa, de modo que tanto nós quanto as coisas parecem ser dotados de razão, mas em sentido diferente.
Esses poucos exemplos já nos mostram quantos sentidos diferentes a palavra razão possui: certeza, lucidez, motivo, causa. E todos esses sentidos encontram-se presentes quando a Filosofia fala na razão.
Por identificar razão e certeza, a Filosofia afirma que a verdade é racional; por identificar razão e lucidez, a Filosofia chama nossa razão de luz e luz natural (a palavra lucidez vem de “luz”); por identificar razão e motivo, por considerar que sempre agimos e falamos movidos por motivos, a Filosofia afirma...

2 4 2