Respostas

2014-03-25T15:55:12-03:00
A boa notícia é que o mundo alcançou o Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (ODM) que têm como meta reduzir pela metade a proporção de pessoas sem acesso a água potável no fim de 2010, bem antes do prazo de 2015 dos ODM. Entre 1990 e 2010, mais de dois bilhões de pessoas obtiveram acesso a fontes de água potável, tais como abastecimento por tubulações e poços protegidos.Embora 89% da população mundial utilize fontes tratadas de água, 783 milhões de pessoas ainda estão sem acesso à água potável, com variações dramáticas por região. Apenas 61% das pessoas na África Subsaariana têm acesso a fontes de abastecimento de água tratada, em comparação com 90% ou mais na América Latina e Caribe, Norte da África e grande parte da Ásia.Além disso, progressos rumo à meta dos ODM de água potável é baseado no acesso a fontes tratadas de água potável e não é possível medir mundialmente a qualidade da água. Trabalhos significativos devem ser feitos para garantir que as fontes tratadas de água sejam e permaneçam seguras.O mundo está muito longe de atingir a meta acordada para o saneamento: 2,5 bilhões de pessoas ainda não têm saneamento básico, tais como banheiros ou latrinas. Cerca de 1,5 milhão de crianças morrem a cada ano – cinco mil por dia – de doenças diarreicas, em grande parte evitáveis por meio de saneamento adequado e melhor higiene. Sete em cada dez pessoas sem saneamento básico vivem em áreas rurais.Desde 1992, 80% dos países iniciaram reformas para melhorar o ambiente propício para a gestão dos recursos hídricos. Em muitos casos, as reformas hídricas têm produzido impactos significativos sobre o desenvolvimento, incluindo melhorias de acesso à água potável, saúde e eficiência hídrica na agricultura.A água doce é também um fator essencial para a agricultura e a produção de energia e uma falta de água suficiente para satisfazer todas as necessidades tem enormes implicações para o desenvolvimento – para empregos, saúde e segurança alimentar. Atualmente, 80% da população mundial vive em áreas com altos níveis de ameaça à segurança da água. As ameaças mais graves afetam 3,4 bilhões de pessoas, quase todas nos países em desenvolvimento.A agricultura responde por quase 70% da retirada dos recursos hídricos globais. A eficiência de irrigação – “mais colheitas por gota” – e a reutilização da água pode ser aumentada em cerca de um terço com a tecnologia existente.Entretanto, por causa do ao aumento da demanda, há menos água. Apenas um gotejamento atinge os deltas de grandes rios, como o Nilo e o Colorado. Há preocupações que o limite sustentável dos recursos de água – em ambas, superfície e subterrânea – foi alcançado ou ultrapassado em muitas regiões. O estresse relacionado à água em pessoas e ecossistemas está aumentando rapidamente. A retira global de água de aquíferos e bacias hidrográficas triplicou nos últimos 50 anos.Questões de água e saneamento têm importantes implicações de gênero. Em países em desenvolvimento, mulheres são normalmente responsáveis pela gestão da água. Elas educam seus filhos para usos seguros e saneamento e higiene adequados. Na maioria das áreas rurais, mulheres e meninas caminham longas distâncias para ter acesso a água em locais remotos. Em média, elas caminha seis quilômetros todos os dias, carregando até 20 quilos. Mulheres e meninas também tendem a sofrer mais com a ausência de infraestrutura. Questões de privacidade, especialmente durante a menstruação, normalmente acarretam em uma queda na frequência de meninas na escola.
1 5 1