Respostas

  • eva
  • Principiante
2013-02-14T18:20:55-02:00
Padronizar a felicidade pode parecer algo utópico aos olhos da sociedade conservadora e um tanto quanto desinteressada por novos caminhos. Quando falamos de felicidade percebemos a dificuldade de encontrar alguém que lhe possa afirmar que esteve totalmente feliz por 24 horas completas. Acredita-se que a forma ideal para a felicidade está na companhia, na segurança financeira ou até mesmo na própria morte, que resultaria no fim de todos os problemas.   Na igreja temos diversos fiéis, que vivem por suas crenças, que fazem de tudo para aproximar seu caminho do de Deus, mas que nos seus lares são completamente infelizes, vagam a infelicidade de um casamento mal sucedido, mas aos olhos dos outros membros daquela religião, de sua preferência, vivem uma vida completa, cheia de amores e luzes divinas, todas obtidas por Deus, colocando em sua religião o escudo para todos os problemas encontrados fora dali.   Um pouco mais distante do exemplo anterior, encontramos os jovens que insistem em buscar a felicidade nas bebidas e nos prazeres da carne, que há muitos proporcionam o êxtase de felicidade, mesmo que momentaneamente. Muitos se alimentam desses atos, que aos olhos de muitos são atitudes mundanas, que caem por terra diante da confusão mental que isso pode causar, gerando momentos de total descaso aos sentimentos.   Com exemplos totalmente distintos e com uma grande divergência de opiniões entre os dois, não acredito em uma fórmula que leve a felicidade permanente, concluindo assim, que o melhor caminho é seguir em frente, sempre aprendendo com os erros e vibrando com os acertos. Colocando seus medos em xeque e provando dos prazeres que a vida pode proporcionar. Aproveitando a felicidade de cada momento, sem fixar um pensamento único em mente e deixar de viver o que tem vontade, apenas por confiar em uma única fórmula de vida.  
1 5 1
2013-02-14T18:24:53-02:00

Padronizar a felicidade pode parecer algo utópico aos olhos da sociedade conservadora e um tanto quanto desinteressada por novos caminhos. Quando falamos de felicidade percebemos a dificuldade de encontrar alguém que lhe possa afirmar que esteve totalmente feliz por 24 horas completas. Acredita-se que a forma ideal para a felicidade está na companhia, na segurança financeira ou até mesmo na própria morte, que resultaria no fim de todos os problemas.   Na igreja temos diversos fiéis, que vivem por suas crenças, que fazem de tudo para aproximar seu caminho do de Deus, mas que nos seus lares são completamente infelizes, vagam a infelicidade de um casamento mal sucedido, mas aos olhos dos outros membros daquela religião, de sua preferência, vivem uma vida completa, cheia de amores e luzes divinas, todas obtidas por Deus, colocando em sua religião o escudo para todos os problemas encontrados fora dali.   Um pouco mais distante do exemplo anterior, encontramos os jovens que insistem em buscar a felicidade nas bebidas e nos prazeres da carne, que há muitos proporcionam o êxtase de felicidade, mesmo que momentaneamente. Muitos se alimentam desses atos, que aos olhos de muitos são atitudes mundanas, que caem por terra diante da confusão mental que isso pode causar, gerando momentos de total descaso aos sentimentos.   Com exemplos totalmente distintos e com uma grande divergência de opiniões entre os dois, não acredito em uma fórmula que leve a felicidade permanente, concluindo assim, que o melhor caminho é seguir em frente, sempre aprendendo com os erros e vibrando com os acertos. Colocando seus medos em xeque e provando dos prazeres que a vida pode proporcionar. Aproveitando a felicidade de cada momento, sem fixar um pensamento único em mente e deixar de viver o que tem vontade, apenas por confiar em uma única fórmula de vida.  

1 1 1