Respostas

2014-04-07T00:27:06-03:00
Curare tem sido utilizado por muitos séculos nas florestas tropicais da América do Sul como um veneno extremamente forte, e utilizado em flechas. O nome provém de palavras indígenas woorari, woorali, urari, que significa veneno. O pesquisador Walter Raleigh e diversos outros exploradores da América do Sul registram o uso de curare entre os índios, que teria sido registrada inicialmente pelo geógrafo Alexander von Humboldt em 1807. Na verdade curare é uma designação genérica de muitas preparações, que incluem muitos elementos, mas mais frequentemente o veneno mortal encontrado nas folhas da Strychnos toxifera ou S. guianensis e da Menispermaceae, especialmente a Chondrodendron tomentosum ou Sciadotenia toxifera. O método usual de preparação era o de combinar folhas jovens de Strychnos e de menisperms com outros fragmentos de folhas e mesmo veneno de cobra ou de formigas. Esta mistura era fervida em água por cerca de dois dias e então evaporada para tornar-se uma pasta escura e espessa com um gosto amargo. 

A potência do veneneo seria testada por exemplo, contando o número de saltos que um sapo daria depois de ser flechado. Certas tribos mantinham verdadeiro monopólio sobre a produção de curare, que representava uma fonte de riqueza. Flechas eram confecionadas com curare e arremessadas com zarabatanas feitas de bambus ocos. A morte de pássaros se dava em dois minutos, pequenos mamíferos em dez minutos. Curare era muito caro para ser utilizado em guerras. 

A morte por curare é causada por asfixia, uma vez que os músculos esqueléticos ficam relaxados e então paralizados. Contudo o veneno, somente funciona no sangue, o envenenamento de animais não causava efeitos nocivos, caso fosse ingerido (oralmente). Seus vapores não eram venenonsos, embora alguns nativos acreditassem que o fossem. Em 1811, Benjamin Brodie notou que durante o envenenamento de curare o coração continuava a bater, mesmo quando a respiração cessava, o que significava qu a função cardíaca não era bloqueada pelo curare. O horror do envenamento por curare é que a vítima permanece consciente do que está acontecendo, podendo sentir progressivamente a paralisia sem nada poder fazer. Se rspiração artificial for realizada a vítima se recupera sem lesões. 

Os principais elementos químicos do curare são alcalóides que afetam a transmissão neuromuscular. Entre os muitos alcalóides presentes no curare, a mais comum são a curarina e a tubocurarina, sendo a última isolada em 1897, obtida em forma cristalina a partir de 1935 e comercializada com os nomes de Tubarine, Metubine Iodine, Tubadil, Mecostrin, Atracurium (produzido pela Wellcome) e Vecuronium (produzido pela Organon). O curare contudo, começaria a ser utilizado como um anestésico apenas em 1943, quatro anos depois que seu ingrediente ativo, o d-tubocurarine foi isolado. A Wellcome, Abbot e Eli Lilly detém patentes de relaxantes musculares baseados no curare. Estas drogas são empregadas como como relaxantes musculares de músculos esqueléticos durante cirurgias para controlar convulsões. 

O curare paraliza os músculos voluntários (todos os músculos são voluntários, como os do braço, pernas e da boca ou involuntários que funcionam sem controle consciente entre os quais o coração). havia séculos se sabia que os indígenas da América do sul envenavam a ponta de suas flechas de caça com o suco de diversas plantas venenosas da floresta tropical. A vantagem era que atingido em qualquer parte do corpo, o animal ficava paralisado pelos efeitos do veneno. A notícia dessa notável substância chegou á Europa demasiadamente rápido. Em 1516 uma geração depois de Colombo ter descoberto o Novo Mundo, Pedro Mártir de Anghera descreveu os efeitos do curare que viu em ação. mas se passaram 170 anos até que G. Maggravius cunhasse o termo curare. Passaram-se muitos ano mais até alguém pensar em usar o curare para outros fins. O que retardou o aproveitamento do curare como relaxante muscular durante a anestesia foi o fato de antes de 1935 não ser possível encontrar curare clinicamente puro. Em 1942 porém a substância começou a ser usada em grande escala. Ela relaxa os músculos do paciente, facilitando bastante o trabalho do cirurgião (sobretudo no abdome), já que sem ela os músculos se travam. Permite ainda que o anestesista controle a respiração do paciente. Em 1948 cerca de 8 mil pacientes já haviam recebido curare. este número teria sido maior, se houvesse suficiente curare disponível. Para satisfazer a demanda, a versão sintética foi finalmente produzida em 1949. Curare é o nome de um poderoso veneno descoberto pelos índios sulamericanos. Os índios usavam o curare na ponta de suas flechas para garantir o seu efeito letal. O curare é obtido em mais de 30 plantas diferentes. A estricnina é um dos seus ingredientes, retirado de uma espécie de cipó. Os alcalóides curarina e tubocurarina inibem a transmissão neuromuscular e causam morte por asfixia.



8 4 8