Para que a História da Educação?

Para cultivar um saudável ceticismo – Vivemos num mundo do espetáculo e da moda, particularmente no campo da educação. A ‘novidade’ tende a ser vista como um elemento intrinsicamente positivo. Há uma inflação de métodos, técnicas, reformas, tecnologias. Mais do que nunca é preciso estarmos avisados em relação a ‘essas novidades’, evitando frenesi da mudança que serve, regra geral, para que tudo continue na mesma. A história da educação é um dos meios mais eficazes para cultivar um saudável ceticismo, que evita a agitação e promove a ‘consciência crítica’.

Para compreender a lógica das identidades múltiplas – Vivemos em uma época marcada por fenômenos de globalização e por uma desenraizada circulação de idéias e conceitos e, ao mesmo tempo, por um exacerbar de identidades locais, étnicas, culturais ou religiosas. Uma das funções principais do historiador da educação é compreender esta lógica de ‘múltiplas identidades’, por meio da qual se definem memórias e tradições, pertenças e filiações, crenças e solidariedades.

Para pensar os indivíduos como produtores de história – ‘O presente não existe sem o passado, e estamos a fabricar o passado todos os dias. Ele é um elemento de nossa memória, é graças a ele que sabemos quem fomos e como somos.’. Nunca, como hoje, tivemos uma consciência tão nítida de que somos criadores e não apenas criaturas, da história. A reflexão histórica, mormente no campo educativo, não serve para ‘descrever o passado’, mas sim para nos colocar perante um patrimônio de idéias, de projetos e de experiências....

Para explicar que não há mudança sem história – O trabalho histórico é semelhante ao pedagógico. Estamos sempre a lidar com a experiência e a fabricar a memória. Hoje, as políticas conservadoras revestem-se de vernizes ‘tradicionais’ ou ‘inovadores’. O seu sucesso depende de um aniquilamento da história”. (António Nóvoa, é professor universitário português que estuda e atua nas áreas de História da Educação e formação de professores)

Considerando o texto de Nóvoa, é verdadeiro afirmar que:

I. os estudos de História da Educação possibilitam ao professor conhecer métodos, técnicas, reformas do ensino e tecnologias utilizadas em diferentes tempos e analisar, criticamente, as mudanças propostas com relação às práticas educativas.

II. muitos métodos e técnicas educacionais persistem porque a escola e os sistemas de ensino pouco mudam com o tempo, ainda que considerando culturas diferenciadas.

III. os estudos de história da educação, na medida em que abordam diferentes experiências educacionais no tempo, no espaço e nas diferentes culturas, possibilitam ao professor conhecer e entender a diversidade e a pluralidade como processos historicamente produzidos e assentar a sua prática docente considerando tal perspectiva.

IV. os estudos de História da Educação não são tão relevantes na formação docente porque, na maioria dos casos, ao professor cabe cumprir exatamente o que é indicado por seus superiores e não há necessidade de reflexão sobre suas práticas.

De acordo com o solicitado, estão corretas somente as afirmativas:

Escolha uma: a. II e III. b. I e II. c. I e III.

1

Respostas

2014-04-13T13:05:56-03:00
Nessa questão a resposta correta é a letra b - I e III estão corretas.

I- os estudos de História da Educação possibilitam ao professor conhecer métodos, técnicas, reformas do ensino e tecnologias utilizadas em diferentes tempos e analisar, criticamente, as mudanças propostas com relação às práticas educativas.

III -

os estudos de história da educação, na medida em que abordam diferentes experiências educacionais no tempo, no espaço e nas diferentes culturas, possibilitam ao professor conhecer e entender a diversidade e a pluralidade como processos historicamente produzidos e assentar a sua prática docente considerando tal perspectiva.

São estas as duas afirmativas corretas da questão.
5 4 5