Respostas

2014-04-29T18:38:13-03:00
 Ele identifica três grandes momentos: os meios “naturais”, os meios técnicos e o meio técnico científico informacional. 
O primeiro momento é aquele em que ainda a natureza comandava a maioria das ações humanas. As técnicas e o trabalho eram totalmente associados às dádivas da natureza. Esse é o período do “tempo lento” e que vai do surgimento do homem em sociedade ao advento das máquinas. 
O meio técnico-científico surge quando o homem começa a se sobrepor sobre o “império da natureza” através da construção de sistemas técnicos. As máquinas (ferrovias, portos, telégrafos) são incorporadas ao território, mas de forma seletiva, sendo este meio caracterizado pelas desigualdades regionais. Dessa forma o progresso técnico era geograficamente circunscrito, se instalando em poucos países e regiões. 
Após a segunda guerra mundial até a década de 70 temos um período de transição que podemos considerar com o meio técnico-científico. É o período da tecnociência, ou seja, é quando a ciência passa a estar intrinsecamente ligada à técnica e regida pelas leis do mercado. 
A partir da década de 70 temos o surgimento do meio geográfico atual, o meio técnico-científico e informacional (SANTOS, 1996; 2001), em que a informação passa a ser variável fundamental no período de globalização, de constituição de um mercado global e de uma unicidade técnica planetária (SANTOS, 1994). Os fluxos imateriais dão uma nova lógica de funcionamento ao território e intensificam o processo de alienação do espaço, pois, mais do que nunca, as novas acelerações são seletivas. “Definem-se agora densidades diferentes, novos usos e uma nova escassez” (SANTOS, 2001).