Assim caminha a humanidade

Há muito que penso nisso e muitas pessoas devem ter pensado a mesma coisa. Mas ninguém fala, ninguém diz nada. Porque, não o sei. Trata-se do automóvel. Essa maravilha mecânica, o veículo revolucionário que acabou com os carros de tração animal e expulsou o trem urbano para os longos percursos. E agora esse totem da nossa era, o automóvel, também chega ao seu fim, transforma-se num veículo obsoleto. Não serve mais. A finalidade a que se destinava, nas áreas urbanas, transporte individual, rápido, seletivo, perdeu o sentido. Você, hoje, para transpor alguns poucos mil metros, da sua casa para o centro, leva o mesmo tempo que gastaria se fosse caminhando. As ruas de todas as cidades do mundo - pequenas, médias, grandes (ou imensas, como São Paulo e Nova Iorque) - vivem atravancadas por essas tartarugas ninjas, andando a passo, sim, de tartaruga mesmo, cada uma ocupando um espaço que vai de 10 a 12 metros quadrados, e transportando, na sua grande maioria, só uma ou duas pessoas, no máximo três, se houver o motorista. Arrogante. Nas suas janelas de cristal, na pintura luzidia, nos metais polidos, o automóvel é, acima de tudo, um monstro de egoísmo. A área que ele exige para si, na via pública, em vez de dois personagens lhe ocupando os assentos, daria para, no mínimo, três bancos de três pessoas, folgadamente instaladas. Quem vem, aqui no Rio, da Barra da Tijuca ao Centro, tem que se inserir, logo na Avenida das Américas, num imenso compacto cortejo, andando em velocidade de enterro (qual enterro, já vi enterro marchando em muito maior velocidade!) e carregando todos juntos, um contingente de pessoas que caberia folgadamente dentro de um trem suburbano. E em meio de buzinadas, palavrões, batidas de pára-choques ou outros incidentes mais graves, só vai alcançar o seu destino - se der sorte - dentro de, no mínimo, hora e meia. É, temos de livrar as ruas disso que Macunaíma chamava 'a máquina veículo automóvel'. O carro puxado a cavalos também não desapareceu, por obsoleto? Hoje nem a rainha da Inglaterra o emprega, prefere os seus reluzentes Rolls-Royces. Tal como não se podia mais suportar o atropelo e a sujeira dos cavalos, das lerdas carruagens do fim do século XIX, assim também o automóvel acabou. Há que substituí-lo por um transporte coletivo de qualidade, rápido, limpo, confortável. Metrôs, ou mesmo grandes veículos de superfície, sei lá. A cabeça dos técnicos já deve estar trabalhando, a dos urbanistas, a dos chamados cientistas sociais. Hoje em dia, leva-se mais tempo viajando de casa para o trabalho do que no trabalho propriamente dito. E, como os patrões exigem as suas oito horas, tem-se que sair de casa em plena madrugada, chegar em casa depois das dez da noite. Quem mora em subúrbio conhece essa tragédia. Os ônibus mesmo, que poderiam ser um grande recurso, têm os seus espaços disputados furiosamente pelos carros e se embaralham, retardam e engarrafam na confusão geral. Quem sabe vai-se recorrer ao transporte aéreo, grandes helicópteros que seriam como ônibus voadores, pousando em heliportos arranjados nos tetos dos grandes edifícios? Não sei... porque logo apareceriam helicópteros particulares, cada executivo teria o seu, de luxo, importado. O que, aliás, já está acontecendo. Eu mesma já viajei num desses, a convite de um amigo. Ou será que os engarrafamentos vão continuar por mais anos e anos, como os assaltos, os seqüestros, os meninos de rua, as favelas e as demais desgraças dos grandes ajuntamentos urbanos? Então a solução seria mesmo acabar com os próprios grandes ajuntamentos urbanos. Voltar todo mundo a se espalhar pelo campo, só procurando os centros quando a natureza do seu trabalho o exigisse. Até que o campo se deteriorasse também - já que esse é o destino do homem sobre a terra: acabar com tudo de bom e bonito que a natureza para ele criou.


Responda

4- você concorda com a opinião da cronista ? justifique sua resposta de maneira convincente , dando pelo menos dois argumentos que confirmem sua opinião .

Me ajudem gente por favor e mt importante isso , me ajudem pf :'(

1

Respostas

A melhor resposta!
2014-05-18T18:00:49-03:00
Sim, o cronista leva em conta o presente acumulativo diante a tanta tecnologia, como propriamente dito, o automóvel. Que atualmente já não é mais tão eficaz quanto há alguns anos atrás, devido a grande taxa de população elevada e até mesmo os investimentos a empresas de automóveis que só querem lucrar e lucrar, oque entendemos ser o "capitalismo". Temos de ressaltar, que há pessoas que não tem acesso a esses automóveis privados e submetem-se aos públicos, se locomovendo ao seu destino, mas devido a grande taxa de carros sob as ruas, este, automóvel que deveria ser eficaz acaba se tornando também um automóvel desvalorizado e não satisfaz quem o utiliza. 
3 4 3
uma duvida rs , porque não satisfaz quem o utiliza ? :3
Satisfaz quem utiliza um meio de transporte coletivo lotado na maioria das vezes? Outra, devido a grande taxa de automóveis privados, facilita o deslocamento priorizado do transporte coletivo?
Respondendo essas perguntas você tem a resposta