Galera, gostaria de saber se meu poema ficou bom e coerente...
OBS: ele vai para um mural de uma festa aqui na escola, então vossa opinião é muito importante.. Desde já agradeço.


Uma mulher, um menino.
Menino sus, mandrião.
Papagaio voando,
Faxineira coxixando,
e a mulher trabalhando.

Cigarro na boca,
fumaça no ar.
Mandrião no sofá,
querendo oscular.
E a mulher trabalhando.

A mão ralada,
o Sol quente,
Chapéu rasgado.
A mulher, só a trabalhar...
E a felicidade...

OBS: leia isto após ler o poema...

O que quis dizer no poema foi: Apesar de tantas dificuldades e barreiras na vida, a mulher ( que no caso do poema é a mãe do mandrião ) vive feliz... Valeus ae!!!



2

Respostas

2014-05-22T17:42:16-03:00
A melhor resposta!
2014-05-22T20:10:12-03:00

Esta é uma Resposta Verificada

×
As Respostas verificadas contém informações confiáveis, garantidas por um time de especialistas escolhido a dedo. O Brainly tem milhões de respostas de alta qualidade, todas cuidadosamente moderadas pela nossa comunidade de membros, e respostas verificadas são as melhores de todas.
O poema está bom, sim. Eu fui ao dicionário, pois há umas palavras que não são de uso corrente aqui no Brasil. Mandrião, por exemplo, é um folgado :)
Só tem um problema: o que eu percebi foi o contrário do que você disse que tentou passar!
1 5 1
Poderia me dizer o que entendeu?
E as palavras estranhar, foi proposital, pois esta é uma atividade de Arte, em que você tinha que usar as palavras ditas na apostila xD
Eu entendi que o menino fica em casa sem fazer nada e a mãe se mata de trabalhar. Não vejo motivo pra ela estar feliz :)
Hehe, então se a profa perguntar o que eu quis dizer, eu falo isso dai hue hue hue, pra falar a verdade, esse poema foi baseado no do vinicius de moraes , não lembro o nome do poema, e como eu não entendi o que ele quis transmitir, fui na minha opinião xD
Alías, agora que eu raciocinei o que tu disse, pode ser que: as gerações passadas, no caso da mãe, era uma geração empenhada, trabalhadora, e a geração que estava por vir, é folgada, capitalista (no caso o menino)