Respostas

  • Usuário do Brainly
2014-06-19T21:49:56-03:00
Durante o Período Regencial, o regressismo expressava a pressão da classe dominante associada, buscando o seu fortalecimento no poder, reprimindo as batalhas, para manter a ordem e um mandato político tranqüilo. A outra fase do Período Regencial foi caracterizada por um percurso reacionário, pois as medidas que compõem o avanço liberal não foram suficientes para libertar o Império da desordem e do sobressalto. Nem mesmo o Ato Adicional conseguiu acalmar a revolução, e foi após a sua promulgação que surgiram as principais rebeliões do período: Cabanagem, Farroupilha, Sabinada e Balaiada. Todos os acontecimentos sucessivos a partir de 1834, como o choque interno, o progressista Feijó eleito como regente em 1835 de forma escassa, a rivalidade entre a Câmara e o regente, e a renuncia de Feijó em 1837, demonstram a queda liberal e a consolidação do regressismo. Foi assim que em 12 de maio de 1840, foi aprovada a Lei de Interpretação do Ato Adicional de 1834, que destruiu a integridade dessa reforma constitucional, uma vez que as províncias que estavam sob o poder das Assembléias Provinciais passaram a ser delegadas pelo Poder Central do Império. A ação regressista foi concluída na década de 1840, quando foi restaurado o Conselho de Estado, e o Código do Processo Criminal foi reconstruído, medidas estas que levaram o Império a encontrar o seu equilíbrio natural, fundamentado nos mecanismos de uma centralização político-administrativa eficaz.