Pronominais
Dê-me um cigarro/ Diz a gramática
Do professor e do aluno/ E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco/ Da Nação
Brasileira

Dizem todos os dias/ Deixa disso camarada

Me dá um cigarro
(Oswald de Andrade)

Como identificar no poema de Oswald de Andrade um
exemplo de colocação pronominal de acordo com a norma culta e outro de
acordo com a língua informal. Em seguida, explicar o uso desses pronomes
encontrados, informando se há próclise, mesóclise ou ênclise.



Como podemos justificar o “erro” de colocação pronominal na poesia de Oswald de Andrade?

2

Respostas

2014-06-22T14:07:48-03:00
Como podemos justificar o “erro” de colocação pronominal na poesia de Oswald de Andrade?
                            
Me dá um cigarro  
                          (Oswald de Andrade)
Resposta: Não se inicia a frase com pronome oblíquo, por isso deve-se usar a a ênclise (dê-me um cigarro).
2014-06-22T21:09:29-03:00
Na gramática normativa, o certo é dizer "dê-me.." (ênclise = pronome depois do verbo), pois, segundo ela, não se deve iniciar frases com pronomes oblíquos átonos; no entanto, nós brasileiros, estamos acostumados a dizer "me dá.." (próclise = pronome antes do verbo). Mesmo sendo um erro na gramática normativa, em outro tipo de gramática é não é. A ênclise é mais usado no português de Portugal e a próclise no português Brasil. Apesar do idioma ser o mesmo de Portugal, penso que o Brasil tem uma língua própria.