TEXTO I
Busque Amor novas artes, novo engenho,
Para matar-me, e novas esquivanças;
Que não pode tirar-me as esperanças,
Que mal me tirará o que eu não tenho.
Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
Andando em bravo mar, perdido o lenho.
Mas, conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.
Que dias há que n'alma me tem posto
Um não sei quê, que nasce não sei onde,
Vem não sei como, e dói não sei porquê.
1) Na segunda estrofe do texto 1, o eu lírico afirma não temer
os perigos do mar. No entanto, mostra-se completamente
inseguro em outros assuntos. De acordo com a 1º e a 2º
estrofes do poema, interprete:
A - Qual a causa da insegurança do eu lírico?
B – Que desafio o eu lírico faz do Amor?
C - Com base no 4º verso da 1º estrofe, explique por que o eu
lírico julga que será o vencedor desse desafio.
2) Na 3º e na 4º estrofes, o eu lírico constrói um raciocínio
lógico a partir de uma premissa: não pode haver desgosto
onde falta esperança. Interprete: no caso do eu lírico, essa
premissa se mostra verdadeira? Justifique sua resposta com
elementos do texto.
3) Observe e compare o tipo de verso, o número de versos por
estrofe e as rimas dos dois textos.
A – Que tipo de verso foi empregado?
B – Como estão organizadas as estrofes do soneto (texto I)
C-No soneto ,as rimas apresentam a seguinte disposição :ABBA, ABBA,CDE,CDE.Utilizando letras ,indique a disposição das rimas do texto II.

1

Respostas

2014-07-10T18:40:37-03:00
1 ) a) O eu lírico expressa um profundo sofrimento em decorrencia de um amor, este que o tirou a segurança, a esperança e ate mesmo a latência de continuar vivendo.
b) Por meio de um vocativo o eu lirico desafia o amor no sentido que este encontre mecanismos que o causem ainda maior sofrimento.
c) Por segundo o eu lírico ja há mais nada que possa ser retirado, tudo se foi, a esperança, e tbm a vontade de viver.

2 ) Sim. No trecho " que mal me tirará o que nao tenho "
19 3 19
correção C ) por que , ja não ha mais nada ...