Respostas

A melhor resposta!
2014-08-25T20:42:09-03:00
Nem tudo                                                                                                                        Que é torto                                                                                                                           é errado                                                                                                                                                                                                                                                                             Vide pernas                                                                                                                         Do Garrincha                                                                                                                       E as árvores                                                                                                                         Do Cerrado .
2 5 2
eu to na 6 ano eu tenho que fazer um poema lindo quem fazer o poema mais bonito da escola vai ganha um premio
Ahhh taboum vou tentar te ajudar ! ok ?
Eu só gosto dessa moça
Porque tem vegetação
Porteira de pau a pique
Três pneus de caminhão
Peido de jumenta ruça
E haja chuva no sertão.
Se com homem ou não
Mata seca ou deserto com vegetação
O mar não aprisiona a ventania
O vento canta para a dança da maresia
Um evento público sem plateia
Onde peixes e pássaros formam a assembleia

Com ou sem a intervenção da tua mão
Abrem-se os buracos do cemitério no nosso chão
Enxadas movidas a base de gasolina
Criações criadas para destruir a Grande Criação
Árvores são os papéis onde assinamos a "disciplina"
Onde a eletricidade traz de volta a lamparina

O mundo não para de girar
O coração não para de bater
Quando o coração parar
O mundo não irá perceber
E quando o mundo se esgotar
Não haverá coração sem se arrepender
E quando o mundo de fato se esgotar
Não haverá coração sem sofrer
2014-08-25T20:50:49-03:00
O CERRADO
Antes era o Cerrado

desterrado

no planalto insondável

ou indomável,

era a vastidão ondulante

e enorme. Inescrutável.

 

Informe a terra aos seus desígnios,

buritis errantes sobre os ermos

charcos isolados,

plantados sob nuvens passageiras.

Nuvens como plumagens derradeiras

chovendo a intervalos.

 

Interstícios, vestígios vegetais.

 

Redemoinhos elevam-se

nos horizontes minerais

sinais montes trilhas.

Jamais.

 

Um resto de umidade

no ar,

flores secas

queimadas

lambendo horizontes

reiteradamente.

 

Do alto desde Planalto Central

mil vertentes, entranhas,

cavernas de luzes escondidas,

animais.

 

Dessas águas emendadas

nas direções dos pontos cardeais

em demanda de todos os brasis.

Infinitos.

 

Riachos temporários, subterrâneos,

Pedregosos, resvaladouros, solitários.

Solo de bandeirantes,

retirantes.

 

Dos encontros impossíveis,

das monções e entradas ancestrais,

dos refúgios e abandonos.

Haveremos de rever

a sua rochosa ossatura,

registros prematuros de Varnhagen.

Visões e revisões

Geopolíticas.

Sertões.

 

Nesses paralelos de mel e de leite

da Terra Prometida.

Nos confins de serras cristalinas,

meridianos estivais,

paisagens marinhas de artifícios,

como ondas petrificadas,

sacrifícios.

Passagens nacionais

em todas as direções:

tropeiros, mascates,

garimpeiros.

Passa um, passa boiada,

passa tempo

cavalhada

cavaleiros coloniais.

Goiás. Brasil.
vo tenta fazer um
o cerrado ensolarado
o serrado ensolaradorico em minerais
anao nao do conta