Respostas

2014-08-25T20:37:26-03:00
A SÍNTESE HUMANA:
O comportamento dos animais inferiores na escala zoológica é basicamente determinado por reflexos e instintos que obedecem a estruturas biológicas hereditárias. Isso faz com que o comportamento de um inseto seja praticamente idêntico ao de outro de sua espécie. Comprova-se isso observando, por exemplo, a ação das abelhas nas colmeias ou das aranhas tecendo as teias.

Quanto mais alto estiver o animal na escala de desenvolvimento zoológico, mais livre ele será da rígida dependência dos instintos ou reflexos automáticos. Seu comportamento será mais flexível, mais imprevisível, mais maleável às circunstâncias ambientais. Dependendo do estágio evolutivo do animal, podemos encontrar atos inteligentes e a capacidade de raciocínio. Isso pode ser observado em animais como o chimpanzé e o gorila.

Entretanto, há um grande abismo entre o comportamento dos animais e o dos seres humanos. Mesmo o chimpanzé mais evoluído apresenta apenas rudimentos do raciocínio que permitiria a construção da linguagem simbólica e todas as suas consequências em termos de reelaboração do conteúdo aprendido e de invenção. Por isso, a vida de cada animal é, em grande medida, uma repetição do padrão básico vivido pela sua espécie. O animal não rompe com o passado
Nesse sentido, o comportamento do homem é fundamentalmente diferente ao dos animais. É certo que o ser humano faz parte da natureza, pois tem um corpo sujeito às leis físicas e biológicas. Mas graças ao desenvolvimento de seu psiquismo pode observar a natureza, criar uma linguagem e, assim, analisar e julgar o mundo em que vive.

Com seu alto grau de consciência o homem superou os limites primitivos tornando-se simultaneamente um ser biológico e cultural. Nele ocorre uma síntese que integra características hereditárias e adquiridas, aspectos individuais e sociais, elementos do estado de natureza e de cultura.

Por isso, o homem é um ser contraditório, ambíguo, instável e dinâmico. Um produto da natureza e da cultura e, ao mesmo tempo, um transformador da natureza e um produto cultural. Enfim, criatura e criador do mundo em que vive.

Essas características tornaram o homem admiravelmente singular. Um ser capaz de dominar a natureza mesmo fazendo parte dela. Capaz de criar coisas extraordinárias como, também, de destruir de modo devastador. Capaz de acumular um saber imenso e, no entanto, permanecer angustiado por dúvidas profundas que o fazem sempre propor novas perguntas e novos problemas a si próprio.