A Cigarra e a Formiga

A cigarra, sem pensar em guardar,
a cantar passou o verão.
Eis que chega o inverno, e então,
sem provisão na despensa,
como saída, ela pensa
em recorrer a uma amiga: sua vizinha, a formiga,
pedindo a ela, emprestado,
algum grão, qualquer bocado,até o bom tempo voltar.“Antes de agosto chegar,pode estar certa a senhora:pago com juros, sem mora.”Obsequiosa, certamente,
a formiga não seria.
“Que fizeste até outro dia?”
perguntou à imprevidente.“Eu cantava, sim, Senhora,noite e dia, sem tristeza.”“Tu cantavas? Que beleza!
Muito bem: pois dança agora...”
La FontaineSem Barra

Enquanto a formiga
Carrega comida
Para o formigueiro,
A cigarra canta,
Canta o dia inteiro.
A formiga é só trabalho.
A cigarra é só cantiga.
Mas sem a cantiga
da cigarra
que distrai da fadiga,
seria uma barra
o trabalho da formiga
José Paulo Paes

Textos podem dialogar entre si, em processo de intertextualidade que pode revelar continuidade ou ruptura na abordagem temática.

O poema de José Paulo Paes é criado a partir da fábula original de La Fontaine e pretende

2

Respostas

2014-08-30T20:10:18-03:00
Passa uma liçao de moral e diverti o publico ao mesmo tempo

2014-08-30T22:08:28-03:00
No poema,o autor tenta melhorar a situação da cigarra,que na fábula termina com fama de preguiçosa e,diz que com a cantiga da cigarra o trabalho da formiga ficou menos árduo,pois,distraía a formiga.
2 3 2